João Pascácio Cosmander e o assalto a Olivença (18 de Junho de 1648)

olivenca

Joannes Cieremans, mais conhecido em Portugal como João Pascácio Cosmander, nasceu em Hertogenbosh (Países Baixos) em 7 de Abril de 1602 e morreu em Olivença em 18 de Junho de 1648. Padre da Companhia de Jesus, notável matemático e engenheiro militar, fez parte do grupo de arquitectos e engenheiros estrangeiros contratados no início da Guerra da Restauração para fortificar as praças de guerra da fronteira e da orla marítima. A Cosmander se devem, entre outros trabalhos, o forte de Santa Luzia em Elvas, o de São Tiago em Sesimbra, a fortificação da praça de Juromenha e vários melhoramentos das defesas de Olivença.

Numa época em que as fidelidades mercenárias dependiam da boa recompensa em metal sonante pelos serviços prestados, de preferência dispensada com pontual regularidade (condição muito difícil de cumprir, dadas as dificuldades financeiras da Coroa), era natural que alguém com o talento e o saber de Cosmander fosse tentado pelo inimigo a trocar de campo. A ocasião – muito provavelmente premeditada e planeada pelos espanhóis, com recurso à espionagem – proporcionou-se em Outubro de 1647, quando o engenheiro regressava de uma das suas frequentes deslocações a Lisboa. Perto da Fonte dos Sapateiros, a cerca de duas léguas (10 Km) de Elvas, saiu-lhe ao caminho uma pequena força de cavalaria espanhola – apenas uma dezena de cavaleiros comandados por um alferes – que o levou prisioneiro e a um criado seu para Badajoz. Conduzido mais tarde a Madrid, à presença de Filipe IV, foi convidado a entrar ao serviço deste soberano, proposta que acabou por aceitar. A selar o novo compromisso de fidelidade, Cosmander traçou um plano para a conquista da praça de Olivença, que muito bem conhecia.

Na madrugada de 18 Junho de 1648, João Pascácio Cosmander intentou tomar de assalto o seu objectivo com uma força de 1.000 infantes e cavaleiros. A acção é referida em muitos documentos dispersos, mas a descrição mais colorida deve-se ao então soldado de cavalaria Mateus Rodrigues, que passo a transcrever, com a devida adaptação para português corrente:

“(…) Quando vinha já amanhecendo (…) já ele [Cosmander] estava à roda da vila, e para melhor dizer dentro dela, e a ordem e modo como entrou foi assim como os castelhanos iam passando por umas hortas que chamam da Rala, onde havia muitos hortelões, e assim como viram os castelhanos lhe não pareceram homens, senão porcos, e como as hortas estavam mui cheias de hortaliça naquele tempo, tomaram paus nas mãos para ir a botar os castelhanos fora dizendo «Valha o diabo! Quem trouxe aqui tanto porco, donde veio isto?». E os castelhanos mui calados, marchando para a vila, e averbando com a muralha se meteram dentro por escadas, e mais estando a muralha com suas sentinelas nossas, mas quando a nossa gente se começou a alvoroçar e a gritar «Armas! Armas!», já o inimigo estava [com] muita (…) da sua infantaria dentro da vila. E no Rossio de Santo António [já] estava um batalhão de 1.000 infantes formados (…), [que] por um buraco que na muralha estava (…) [tinha entrado] uma manga de castelhanos, todos aventureiros e gente escolhida. De modo que ainda estava toda a gente da vila na cama , e muitos (…) tinham por parvoíce o dizerem que estava o inimigo dentro da vila. Logo começaram a ir-se levantando todos muito depressa, uns mal calçados e mal vestidos, e a gente de cavalo acudindo, uns em sela, outros em osso, que havia uma notável confusão da vila em ver já o inimigo dentro sem lhe poderem valer (…). E a tudo isto o Cosmander andava lá fora da vila dando ordem para meter a sua cavalaria dentro (…), e foi buscar um petardo para ele mesmo lhe pôr fogo às portas, para que entrasse a sua cavalaria, e assim como o trouxe para junto da porta, já neste tempo a nossa trincheira tinha muita gente defendendo (…). De modo que tanto que Cosmander veio com o petardo para as portas, sem se lhe dar das balas que neste tempo choviam da muralha, e ele só, trazendo o petardo às portas sem se lhe dar de nada, e a sua cavalaria toda já à vista esperando que ele botasse as portas dentro para virem entrar, mas tanto que ele se veio arrimando às portas, começaram da muralha bradando todos «Eis ali Cosmander! Eis ali Cosmander!». Mas apenas (…) o nomearam, já ele estava estirado no chão com uma bala, que estava na trincheira um carpinteiro com uma espingarda nas mãos, (…) [que] assim como o viu, já o tinha aviado, ao qual carpinteiro fez El-Rei mercê.

Assim como o inimigo viu este homem morto, parece que se acabou o seu encantamento, que não houve mais castelhano que pegasse em arma senão tratar cada um de fugir mais. Os que estavam fora logo se retiraram a bom passo e os que estavam dentro levaram tal esfrega que não sabiam por onde se meterem. (…) O batalhão que estava já no terreiro de Santo António (…) [foi atacado e ficou] em breves horas em miserável estado, que como não tinham já outro remédio se metiam pelas casas e se escondiam por debaixo das camas (…). É certo que não escaparam nem 50 homens dele.”

Uma “esfrega”, é certo, mas como em outras partes das suas memórias, Mateus Rodrigues deixou-se levar pelo exagero dos números. Segundo a carta enviada no dia seguinte a D. João IV pelo governador das armas do Alentejo, Martim Afonso de Melo, foram apenas 300 os soldados inimigos que conseguiram entrar na praça, dos quais 154 foram mortos e 35 feridos e capturados, entre os quais 3 capitães. Quanto aos portugueses, sofreram menos de 20 baixas, mas entre estas contaram-se o mestre de campo D. António Ortiz, morto, e o governador militar da vila, D. João de Meneses, gravemente ferido.

Assim se finou João Pascácio Cosmander, com uma bala ajustada por um carpinteiro. Conforme referiu Mateus Rodrigues, e nisso é corroborado por outros documentos, o engenheiro jesuíta bateu-se até ao fim com bravura: tendo falhado o primeiro petardo que colocara na porta, Cosmander voltou atrás, indiferente ao perigo, de modo a colocar um segundo engenho, acção que lhe foi fatal. A interpretação nacionalista dos acontecimentos – não só a do típico nacionalismo restauracionista da época, como a do nacionalismo romântico dos séculos XIX e XX – estigmatizou João Pascácio Cosmander como um traidor que teve o fim merecido. Mas como refere Vítor Serrão, “as dramáticas vicissitudes da sua morte (…) não invalidam o grau de novidade construtiva das empresas militares que gizou e que profundamente alteraram em eficácia e em fisionomia o carácter das linhas defensivas portuguesas” (SERRÃO, Vítor, História da Arte em Portugal – O Barroco, Barcarena, Editorial Presença, 2003).

Bibliografia:

COELHO, P. M. Laranjo, Cartas dos Governadores da Província do Alentejo a El-Rei D. João IV, vol. I, Lisboa, Academia Portuguesa da História, 1940.

Manuscrito de Matheus Roiz, transcrição do códice 3062 [Campanha do Alentejo (1641-1654)] da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Lisboa, Arquivo Histórico Militar, 1952 (1ª divisão, 2ª secção, caixa 3, nº 2), pgs. 179-185.

Gravura: Planta de Olivença, in La memoria ausente. Cartografia de España y Portugal en el Archivo Militar de Estocolmo. Siglos XVII y XVIII. Originalmente tinha incluído neste artigo um suposto retrato do Padre João Cosmander. Na verdade, não se tratava de Cosmander, mas de um outro padre jesuíta, o sueco Brott, conforme esclareceu o Dr. Edwin Paar no comentário 3 deste artigo.

Anúncios

22 thoughts on “João Pascácio Cosmander e o assalto a Olivença (18 de Junho de 1648)

  1. Ante todo le pido disculpas por escribir en español, pero mi portugués es pésimo y no quiero ofender tan bello idioma con mis torpes errores.

    Su blog tiene una calidad excelente tanto en sus conocimientos como en sus fotografías.

    Un cordial saludo.

  2. Muito engraçado esse blogue! Em breve vou estudar em pormenor.
    Porém, pelo menos posso fazer uma correcção: o homem como foi retratado e do que se guarde o quadro no Museu Municipal em Elvas, NÃO é Cosmander! Trata-se de um Jesuíto suéco do nome Brott, como se vê também debaixo do retrato. Gostaria saber quem foi o primeiro a fazer esse erro! Porque foi copiado tantas vezes que toda a gente pensa agora que seja Cosmander que foi retratado.
    Infelizmente, não conheçemos nenhum retrato fiel de Cosmander. Existe um desenho no arquivo de Évora, do que se diz também ser de Cosmander, mas esse desenho foi feito no século XVIII, pois somente pode ser uma cópia de um outro retrato ou uma imagem fantástica.

  3. Muito agradecido pelo seu esclarecimento, caro Edwin. Vou já proceder à correcção do texto da imagem. A respeito de erros repetidos, um muito vulgar é o da data da morte de Cosmander, que surge em muitas enciclopédias como tendo sido a 20 de Junho de 1648, quando de facto sucedeu no dia 18, data do ataque a Olivença.

    Cumprimentos,

    Jorge P. de Freitas

  4. Pingback: Ainda o assalto a Olivença e o padre Cosmander (18 de Junho de 1648) « Guerra da Restauração

  5. Pingback: Um escocês ao serviço de D. João IV - o mestre de campo David Caley (3ª parte) « Guerra da Restauração

  6. Pingback: O combate da Atalaia da Terrinha, 5 de Junho de 1647 (4ª parte) « Guerra da Restauração

  7. Pingback: Nicolau de Langres, arquitecto e engenheiro militar « Guerra da Restauração

  8. Muito obrigado pelo seu comentário, caro Sr. Carlos Sánchez. As magníficas imagens das publicações 4 Gatos são um ponto forte deste blog, pelo interesse histórico e qualidade de impressão. Com a sua permissão, continuarei a incluí-las aqui e a divulgar a sua editora.
    Com os meus agradecimentos e os melhores cumprimentos
    Jorge P. de Freitas

  9. Perdoneme en primer lugar que me comunique con usted en castellano pero mi conocimiento del postugués sólo me permite leer.
    Debo felicitarle por su magnífico trabajo en este blogs del que ya soy un asiduo visitante. Por otro lado estoy estudiando algunos episodios de la Guerra de los que desde luego le daré cuenta.

  10. Dear Sirs,
    this web page is nearly the only one mentioning Dr.Edwin Paar. /Excuse me, please, I do not speak nor understand Portuguese./ Would you be so kind, to send me an e-mail connection of Dr.Paar.
    Thank you very much in advance. With kind regards, Pavla Pannova

    • Prezado,
      eu também gostaria de entrar em contato com Edwin Paar, pois no momento realizo uma pesquisa acerca das fortificações construídas no Recife (Brasil) e seus possíveis referenciais teóricos (tratados de arquitetura militar).
      Você poderia me enviar o email de Edwin Paar?
      Muito obrigado.

  11. Pingback: As reconduções de soldados desertores – um exemplo de 1648 « Guerra da Restauração

  12. En relación con la vida y obra de Cosmander, y más en concreto con su papel de ingeniero militar en plazas tan importantes como Elvas y Juromenha, adjunto un par de documentos que ofrecen algunos datos esclarecedores sobre las funciones desempeñadas por tan insigne personaje.
    Se trata de dos cartas, las cuales le fueron requisadas por la partida castellana que consiguió apresarle (después de varios intentos frustrados) a comienzos de octubre de 1647.
    Ambas misivas tenían como destinatario a Martin Alfonso de Melo, gobernador de armas del Alentejo en aquellas fechas, y fueron redactadas en la propia Secretaria Real.
    Mención aparte de tales cartas, Cosmander portaba otra serie de documentos, aunque éstos de menor interés que los dos citados. Todos ellos fueron enviados a la Junta de Guerra española, con su transcripción paralela, y fueron utilizados para convencer al malogrado ingeniero de que pasara a ofrecer sus servicios al bando castellano, cuestión que, a pesar de las reticencias iniciales, finalmente pudieron conseguir.

    Juan Antonio Caro del Corral

    DOCUMENTO NUMERO 1

    Martim Affonso de Mello amigo. Eu, el Rey vos enuio moto saudar. O coronel Joao Pascaçio de Cosmader me representou como Em Jerumenha, pella falta de moradores e de mullas de carga para acarretar faxina, pedra e cal e os mais materiaes, nao podera luzir a fortificaçao naquella praça como conuem, sem que assitao nella duas carrocas, mulas ou carretas de bues qe podao fazer o mesmo servicio. Encomendouos qe, achando ser conueniente, as façaces dar com tuda a breuidade possiule, em quanto durar a necessidade dellas.

    DOCUMENTO NUMERO 2

    Martim Affonso de Melo, amigo. Eu, el Rey, vos enuio muito a saudar. El coronel Joao Pascasio de Cosmander me propos que seria conveente que a sargento mor Antonio Galuan, com o titulo e soldo de tenente de mestre de campo general, asistisse no forte de S. Luzia as fortificaçoes delle e dessa praça, ajudandoos neste ministerio, e ficar a sua conta tudo e fazer trabalhar agente quese ocupa nesas fortificaçoes qando eil estuuier aussente e fore acudir a Jerumenha ou a outras occupaçoes de meu seruiço. E hauendo visto a proposta referida, e consederado a falta que de presente ha de dinero pa se acrescentar nº de thenentes de mestre de campo geral, me pareço dizeruos que consultamdome quem aja de guouernar a Santa Luzia, me proponhais a Antonio Galuan pª que neste posto me sirua nas fortificaçoes, como entenderes mais conuen a meu seruiço. E do mesmo modo me proponéis hauendosse de prouer algum posto de teniente de mestre do campo geral, porque tendo eu particular cuidado de seu acrescentamento pellas boas informaçoes do ben que me ten seruido.

    • Estimado amigo Juan Antonio

      Mais uma vez te agradeço a tão interessante colaboração. Como de costume, irei introduzir os documentos que aqui apresentas num artigo próprio, que publicarei logo após encerrar a presente série de artigos.

      Forte abraço

      Jorge Freitas

      • onde podem ser encontrados os ditos documentos? Conseguiu escriver o artigo relativo a esses?

        Comprimentos

  13. Caro Sr. de Freitas,
    eu também gostaria de entrar em contato com o Prof. Edwin Paar, pois no momento realizo uma pesquisa acerca das fortificações realizadas por Cosmander. Alem disso sou admirador dele e dos seus trabalhos no KNOB
    Muitos comprimentos.

    P.D. terrivel o blogue Sr. de Freitas, prazer imenso ler essas historias!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s