O combate de Cabeço de Vide, 23 de Abril de 1649 (2ª parte) – a disposição táctica

Juan Jacome Mazacan (ou Mazacani, pois era napolitano de nascimento) era um militar bem conhecido dos portugueses. O soldado Mateus Rodrigues refere-se-lhe algumas vezes nas suas memórias. Comandava desde 1644 a guarnição de Zarza la Mayor, e embora o seu território de operações fosse habitualmente a fronteira que confinava com a Beira, entrou por vezes com a sua cavalaria pela raia alentejana. É nesta província que se encontra com a cavalaria portuguesa sob o comando do tenente-general francês Achim de Tamericurt em 23 de Abril de 1649, nas proximidades de Cabeço de Vide, não muito distante da vila de Fronteira.

Na continuação da narrativa, percorremos hoje a disposição táctica das forças, segundo o testemunho de Mateus Rodrigues.

(…) De modo que o dito Mazacan, assim como nos viu a todos, disse para a sua gente (…) senhores, soldados e capitanes, nos tenemos aqui mui buena pillaje de ganados, pero mejor es la que hemos de tener de aquesta que aca viene [em castelhano no original]. (…) E passando o nosso comissário [quer dizer, o tenente-general Tamericurt] pela vanguarda de toda a nossa cavalaria, dizendo aos capitães e mais soldados que não houve[sse] descomposição nem rumor, senão mui calados e cerrados e que fize[sse]mos todos como ele esperava de tão bizarros soldados como nós éramos [na época, a palavra bizarro era aplicada áquele que se distinguia pela sua valentia]; de maneira que se foi para a vanguarda pelejar (…), que iam cinco companhias na vanguarda, muito boas e [com] bons capitães, que era a companhia de um francês, por nome Latuie [Latouche], que o mataram ali, e a companhia do capitão João Homem Cardoso, e a companhia do comissário de Olivença, Duquesne, e a companhia do capitão Dinis de Melo [de Castro], que foi a primeira ocasião em que se achou depois de [promovido a] capitão de cavalaria e procedeu tão bizarramente como adiante direi, e assim mais a companhia do capitão João de Oliveira Delgado, e estas cinco companhias que na vanguarda iam teriam 200 cavalos (…) e as outras iam 4 na batalha e outras 4 na reserva, tudo mui composto e com ordem, na batalha ia o capitão Fernão de Mesquita [Pimentel] por cabo , e na reserva ia o capitão António Jacques de Paiva por cabo. De maneira que assim como o inimigo nos viu com determinação de pelejar, não fez mais que formar-se em (…) vanguarda e reserva, mas na vanguarda pôs todos os bons soldados e oficiais (…), e fê-lo mui grosso, que trazia na vanguarda perto de 400 cavalos, porque fazia conta que, em nos rompendo a vanguarda, que nos fizesse fugir, que logo a demais [cavalaria] havia de fazer o mesmo. Que não há dúvida que era uma ocasião daquelas [em] que é necessário haver bons cabos diante e bons soldados, que se uma vanguarda se rompe, ou sua ou nossa, é necessário muito auxílio de Deus e valor para terem bem mão, vendo fugir a sua vanguarda, e por isso o inimigo se fundava nestas circunstâncias (…). Aonde (…) se formou era um cabeço alto, e ao pé dele corria um ribeiro (…). E todo o gado, assim bois como ovelhas e cabras e porcos e muitas cavalgaduras, tudo isto estava junto, ao pé do inimigo, por onde havíamos de passar forçadamente [forçosamente]. E pelo meio de lá rompemos, e era tanto o fato de roupa que estava pelo chão, que eles haviam roubado pelos montes, que podiam carregar um navio, que todos os castelhanos (…) largaram [d]as garupas para pelejarem mais à sua vontade, e desembaraçados.

(Citações do Manuscrito de Matheus Roiz, versão transcrita do AHM: pgs. 157-159).

Agradeço muito especialmente a colaboração do amigo e investigador de Zarza la Mayor, senhor Juan Antonio Caro del Corral, que tem disponibilizado muita informação sobre o período da Guerra da Restauração – e neste caso, a obra de Gervasio de Velo Y Nieto, Escaramuzas militares en la frontera carcereña con ocasión de las guerras por la independencia de Portugal, Madrid, 1952, de onde me foi possível recolher alguns dados sobre o percurso militar de Juan Jacome Mazacan.

Imagem: Mapa de Portugal, cerca de 1700 (detalhe da província do Alentejo). Note-se a pequena diferença do topónimo, que surge como Cabeça da Vide. Biblioteca Nacional, Cartografia, CC164P.

Imagens de Cabeço de Vide, da arquitectura de hoje e do passado (e da tranquila paisagem dos arredores) podem ser vistas aqui.

Advertisements

5 thoughts on “O combate de Cabeço de Vide, 23 de Abril de 1649 (2ª parte) – a disposição táctica

  1. O mapa que reproduz é muito interessante. No entanto, a configuração do termo de Olivença é bastante imprecisa. Fiz uma tentativa de reconstituição dos concelhos do Alentejo segundo o Numeramento de 1527-1532 e o território daquele concelho é substancialmente diferente. No que respeita a Cabeço de Vide, no mesmo Numeramento consta também como Cabeça da Vide.
    Cumprimentos

  2. Muito obrigado pelo comentário. De facto, o termo de Olivença está mal definido, o que é um pormenor intrigante, pois estes mapas tinham um propósito eminentemente militar (note-se a informação acerca das fortificações e das vias principais entre localidades, sem grande preocupação, todavia, pela precisão da localização relativa entre os aglomerados populacionais). Quanto ao topónimo Cabeço de Vide, tenho-o encontrado assim escrito em vários documentos do século XVII, inclusive no manuscrito de Mateus Rodrigues. Teria a designação mudado no decurso do século XVII, ou ainda nos finais do XVI? Ou ter-se-ia mantido uma dupla designação, talvez com a tendência para Cabeça da Vide cair em desuso?
    Mais uma vez lhe dou os parabéns pelo seu magnífico blogue.
    E já agora, perdoe-me a “careta” que acompanha o seu comentário – ela não foi produzida por mim, é uma brincadeira aleatória do WordPress. Só quem utiliza um avatar personalizado escapa a esta “partida”.

    Cumprimentos

    Jorge

  3. O fragmento de mapa que apresenta parece-me ser do mapa de Johann Baptist Homann, de 1704, disponível no site da BN. Tenho andado a pesquisar dados históricos sobre a Vila do Cano (Alentejo) para elaboração de uma monografia, neste ano que comemoramos os 500 anos do foral manuelino. Alguns nomes de localidades do mapa parecem-me errados, talvez devido a problemas de comunicação com o alemão. Será?

  4. Caro João Richau

    Muito obrigado pelo seu comentário. Penso que tem razão no que refere, embora no caso de Cabeço de Vide (que surge como Cabeça da Vide no mapa) o nome possa estar de acordo com a designação usada na época, conforme referi na resposta ao comentário acima.

    Com os melhores cumprimentos

    Jorge Freitas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s