Artilharia (2) – as categorias das peças de campanha

As referências à artilharia eram geralmente feitas de acordo com o peso do projéctil disparado. Apesar da variedade de calibres e designações, é possível traçar um esboço da valoração e do agrupamento das peças de bronze em “categorias” baseando-nos no testemunho competente de D. Luís de Meneses, Conde de Ericeira, que foi general da artilharia do exército do Alentejo. Assim, na sua História de Portugal Restaurado (edição da Livraria Civilização, Porto, 1945-46, vol. IV, pg. 291) descreve a composição do trem de artilharia presente na batalha de Montes Claros, em 1665, agrupando as 20 peças do seguinte modo:

Quinze peças de 7, 6 e 4 libras.

Três peças de 12 libras.

Duas peças de 24 libras.

Como se vê, nenhuma se enquadra em absoluto nos exemplos mostrados no quadro que foi aqui apresentado, mas podemos arriscar que as de 7 e 6 libras seriam sacres ou meias colubrinas e as de 12 libras provavelmente colubrinas. As de 24 libras eram certamente os meios canhões que surgem também destacados noutras passagens da obra do Conde de Ericeira, como por exemplo a respeito da artilharia do exército de D. Juan de Áustria na campanha do Alentejo em 1663:

Constava (…) [de] dezoito peças de artilharia, em que entravam seis meios canhões, três morteiros, quantidade de munições e mantimentos (…). (Obra citada, vol. IV, pg. 103)

Destaque que prossegue mais adiante, ao referir-se às unidades e material militar ao dispor do Conde de Sartirana para a defesa de Évora, que os espanhóis haviam tomado:

(…) Treze peças de artilharia, em que entravam seis meios canhões (…). (ob. cit., vol. IV, pg. 124)

Os meios canhões eram as peças mais pesadas da artilharia de campanha em serviço nos exércitos português e espanhol na década final do conflito. Se quase toda a artilharia era de lenta deslocação, o peso destas peças maiores atrasava ainda mais a progressão do exército, exigindo cada peça muitos animais de tiro.

No entanto, foi também na última década do conflito que mais se empregaram peças de menor calibre, que apoiavam em proximidade a cavalaria e a infantaria com o seu tiro, sendo intercaladas entre os esquadrões e os batalhões. Não se tratava propriamente de uma novidade – há referências a peças ligeiras hipomóveis que acompanhavam a cavalaria em campanha no Alentejo, já nos anos 40, bem como à experimentação de canhões de couro, semelhantes aos usados pelo exército sueco de Gustavo Adolfo – mas o seu emprego táctico era agora mais frequente e eficaz.

Sobre os tipos de munição e a sua eficácia será aqui colocado em breve um artigo.

Imagem: Artilharia em acção. Trata-se de uma peça de pequeno calibre (3 ou 4 libras), usada no apoio próximo das formações de infantaria. Reconstituição histórica, Kelmarsh Hall, 2007. Foto do autor.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s