O assalto a Zarza la Mayor, 11 a 16 de Junho de 1665 (1ª parte)


O estimado amigo e investigador Sr. Juan Antonio Caro del Corral tem sido de uma inexcedível gentileza ao enviar-me muitos documentos, além de excelentes trabalhos de sua lavra (nomeadamente sobre a história de Zarza la Mayor), que muito enriquecem o conhecimento sobre um teatro de operações menos citado que o do Alentejo, mas nem por isso menos importante: o da raia da Beira Baixa e Extremadura (partido de Alcántara). Cabe hoje trazer aqui, precisamente, um acontecimento que marcou os anos finais da Guerra da Restauração no que a Zarza la Mayor diz respeito: o assalto e destruição da vila extremenha, que ficou despovoada até à cessação das hostilidades, cerca de dois anos e meio depois.

A operação, que decorreu ao mesmo tempo que o Marquês de Caracena entrava em Portugal pela fronteira do Alentejo e punha cerco a Vila Viçosa (uma campanha que culminou na importante batalha de Montes Claros, em 17 de Junho), mereceu algumas linhas no Mercurio Portuguez de Junho de 1665, a publicação periódica redigida por António de Sousa de Macedo:

(…) O governador das armas do partido de Castelo Branco na Província da Beira, Afonso Furtado [de Mendonça], entrou em Castela pela Estremadura (que é a mesma província do governo [do Marquês] de Caracena), com parte de cinco mil infantes, e de quinhentos cavalos, com que se achava, e de seis peças de artilharia; e aos 14 deste mês, depois de três dias de brava peleja, se lhe entregou a Sarça, praça de mil vizinhos. que, demais de sua muralha, tinha três fortes, e outras fortificações modernas, governada por Martim Sanches Pardo general da artilharia ad honorem, com guarnição de cem cavalos, e duzentos infantes, além dos moradores ordinários. Custou-nos a vida de vinte e dois soldados, e de um mestre de campo auxiliar; e arrazámos esta praça de modo que não ficasse habitável, nem pedra sobre pedra dela, em castigo da insolência de seus habitadores [sic], cujo ofício, ainda dos que não professavam ser soldados, era não só roubar os campos, mas também ter por gosto matar os nossos a sangue frio.

Para melhor compreender esta última afirmação, convém dizer que Zarza tinha uma companhia de caballos naturales, conhecida por Montados de la Zarza – o equivalente às companhias de moradores ou cavalos pilhantes dos portugueses. Esta unidade, que tanto servia para defender os campos de Zarza como para fazer incursões de pilhagem em território português, era um pesadelo para os habitantes da raia beirã. A julgar pelo modo como eram considerados, dentro do exército português, os próprios pilhantes (intratáveis e indisciplinados), não será de admirar que Sousa de Macedo tenha estendido a todos os zarzenses a crueldade que, muito provavelmente, seria perpetrada pelos milicianos dos caballos naturales.

Na segunda parte veremos como o assalto foi reportado por um habitante de Zarza la Mayor.

Imagens: Na primeira foto, reproduzida a partir do programa Google Earth, vemos a localização de Zarza la Mayor, a leste de Salvaterra do Extremo (para ampliar, basta clicar sobre a imagem). Na segunda foto, da autoria de Juan Antonio Caro del Corral, a igreja paroquial de Zarza, muito danificada nos combates de 1665.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s