O assalto a Oliva, 8 a 11 de Janeiro de 1654 (1ª parte)

Após o sucesso no combate de Arronches em 8 de Novembro de 1653 e da incursão ao Vale de Matamoros em 25 de Novembro do mesmo ano, o mestre de campo general e governador das armas interino do Alentejo, D. João da Costa, Conde de Soure, decidiu lançar um assalto à vila extremenha de Oliva. Os motivos para tal operação são explicados pelo próprio, em carta dirigida a D. João IV:

Enquanto o tempo não dá lugar de poder obrar o que desejo no serviço de Vossa Majestade, me pareceu livrar aos lugares de Mourão, Monsaraz, Terena e [A]landroal das contínuas moléstias que recebiam da guarnição e moradores da vila de Oliva, que consta de 400 vizinhos e um castelo.

Para se ganhar uma e outra coisa por interpresa, ordenei ao general da cavalaria [André de Albuquerque Ribafria] que com 1.300 cavalos e com os mestres de campo Manuel de Saldanha e Manuel de Melo investisse a vila e procurasse, com os petardos, ganhar o castelo. (ALMEIDA, Manuel Lopes de; PEGADO, César (pub.) –  Livro 2º do Registo das Cartas dos Governadores das Armas (1653-1657), Coimbra, Biblioteca da Universidade, 1940 (transcrição do ms. 540 da BGUC), pg. 41, adaptado para português corrente).

Na operação participou a companhia de cavalos onde servia Mateus Rodrigues, companhia essa que era comandada pelo capitão Fernão Pacheco Mascarenhas. Mateus Rodrigues ainda se encontrava em convalescença das feridas recebidas no combate de Arronches e estava prestes a desertar do exército do Alentejo, onde servia desde Setembro de 1641. O soldado de cavalos deixou uma extensa narrativa do assalto a Oliva, a qual contrasta com a brevidade com que a operação é descrita pelo Conde de Soure e até pelo Conde de Ericeira na História de Portugal Restaurado (edição on-line facsimile da edição de 1759, Parte I, Livro XII, pgs. 439-440). Os pormenores da incursão ainda estavam frescos na memória quando começou a passar as suas recordações para o papel, poucos meses depois, já no sossego de Águeda.

O general André de Albuquerque Ribafria estava a recuperar das pisaduras sofridas no combate de Arronches (onde caíra do cavalo logo no início da refrega e fora atropelado pela sua própria cavalaria, tendo sido mesmo dado como morto) quando lhe foi atribuído o comando da operação. Embora tivesse ainda um braço imobilizado e não pudesse montar a cavalo, fez-se transportar numa liteira. A sua reputação estava no auge e era muito estimado pelos subordinados.

Este lugar ou vila de Oliva estava sete léguas pela terra dentro, e tudo mui grandes azinhais e terra de matos. Contudo era lugar que dava grandes enfados e perseguições, e os lugares (…) que lhe ficavam em a raia, como era a vila de Moura e Serpa e Mourão e Monsaraz e Terena e o [A]landroal, todos estes nossos lugares eram abrasados desta Oliva, em razão que tinha em si duas companhias de cavalos mui boas, e todos eram homens da mesma vila, que toda a nossa campanha sabiam a palmos e aos olhos fechados, e como assim fosse de sorte ventura lhe dávamos em partida nenhuma que entrasse dentro em qualquer lugar destes. Mas a quem este inimigo perseguia com mais continuação era a vila de Moura, por ser terra de maior tráfego de campo e lavouras e gados, e achava o inimigo ali mais certa a pilhagem do que em outro qualquer dos mais. Além de que Moura também tinha sempre duas e três tropas de cavalo, mas nunca jamais podiam apanhar nenhum castelhano, e quando lhe saíam alguma vez sempre os corriam cinco ou seis léguas. De modo que teve esta vila de Moura e mais lugares este aperto e sujeição treze anos, até que Deus se lembrou deles para ficarem descansados, fazendo suas lavouras à sua vontade. (Manuscrito de Matheus Roiz, versão transcrita (AHM), pgs. 366-367).

Segundo Mateus Rodrigues, a iniciativa da operação não partiu directamente do Conde de Soure, mas do governador Moura e mestre de campo do terço de guarnição da vila, D. Manuel de Melo, filho do Porteiro-Mor do Reino, e do próprio André de Albuquerque. D. Manuel de Melo comandava o melhor e mais numeroso terço da província do Alentejo e governava a vila desde 1647, mas nunca ousara falar aos governadores das armas na sua vontade de atacar Oliva, pois sabia bem os riscos que essa operação envolvia. Só depois da vitória de Arronches e da superioridade que a cavalaria portuguesa obtivera a partir daí é que D. Manuel de Melo deciciu revelar o seu plano ao general da cavalaria e ao mestre de campo general. Escreveu cartas a ambos, para Elvas, e logo D. João da Costa foi conversar com André de Albuquerque, de modo a saber se este estava em condições de comandar a operação. Encontrou-o ainda muito combalido, mas sempre animoso e decidido a tomar parte na arriscada empresa. D. Manuel de Melo, para além de ser uma pessoa de grande consideração devido ao alto cargo exercido pelo pai na Corte, oferecia o seu terço para assaltar a vila, sem ser necessário arriscar a cavalaria. Com 1.400 homens bem equipados e bem treinados, tinha por certo  o sucesso. E assim, D. João da Costa deu o seu consentimento ao plano, embora receasse pela diminuída capacidade física de André de Albuquerque.

(continua)

Imagem:  A partida dos soldados. Quadro de Philips Wouwerman.

3 thoughts on “O assalto a Oliva, 8 a 11 de Janeiro de 1654 (1ª parte)

  1. Para ampliar la información sobre el combate de Oliva de la Frontera, enmarcándolo en el contexto general de la Guerra da Restauraçao, resulta muy interesante la investigación realizada por Alfonso Gil Soto, publicada en el número 53-54 de la revista “Alcántara” (año 2001), que lleva por título “EL IMPACTO DE LA GUERRA DE SECESION PORTUGUESA (1640-1668) EN LOS TERRITORIOS DE LA <> EXTREMEÑA: EL CASO DE OLIVA DE LA FRONTERA”, cuyo texto íntegro puede consultarse on-line bajo el siguiente enlace:

    http://ab.dip-caceres.org/alcantara/alcantara_online/53_54/53_54_006a.htm

    Juan Antonio Caro del Corral

  2. Pingback: Um combate nos campos de Valência de Alcântara, 7 de Novembro de 1653 (parte 1) « Guerra da Restauração

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s