A captura do tenente-general Gregorio de Ibarra nos campos de Badajoz, 25 de Maio de 1652 (1ª parte)

No último post foi referido o nome do então comissário geral da cavalaria espanhola Gregorio de Ibarra (1645). Num episódio descrito por Mateus Rodrigues nas suas memórias, voltamos a encontrar o oficial sete anos mais tarde, agora já tenente-general da cavalaria, numa acção não muito feliz para o próprio.

Conforme refere Mateus Rodrigues, era então (1652) general da cavalaria na cidade de Badajoz D. Álvaro de Viveros. À sua presença foi levado, certo dia, um soldado português capturado – alguns prisioneiros tomados como “línguas” eram interrogados na presença de oficiais superiores, sendo isto habitual em qualquer dos lados em confronto. O aliciamento para servir de espia era também usual, e foi isso mesmo que foi proposto ao soldado de infantaria de Campo Maior, pois este demonstrava ser pessoa resoluta e determinada. D. Álvaro de Viveros perguntou-lhe se queria ser rico; bastaria para isso que o avisasse quando saísse alguma partida de cavalaria de Campo Maior, pois a cavalaria desta vila não cessava de fazer incursões ao outro lado da fronteira e tinha elementos que conheciam muito bem todas as zonas por onde se faziam as entradas (não é de estranhar que isso acontecesse nessa época, dado que a cavalaria de Campo Maior era comandada pelo capitão João da Silva de Sousa, cuja apetência pela pilhagem era lendária).

Mas o soldado, que era grande (…) demónio, assim como o general lhe cometeu [incumbiu] tal coisa, logo lá dentro em seu coração formou de repente a malícia, enganado o general, dizendo que sim, era muito contente, mas como faria ele isso sem que o viessem a saber, que o não enforcassem? Mas como ele já tinha a tenção de lhe fazer velhacaria, logo tornou a dizer que ele lhe daria a melhor traça [plano] e ordem que pudesse, de modo que não corresse perigo a sua vida. O general do inimigo lhe agradeceu muito o ânimo e logo o mandou para Campo Maior e lhe deu umas poucas de patacas. (MMR, pgs. 284-285)

O plano consistia em o soldado não entrar em Badajoz cada vez que viesse dar notícias, mas ir até à porta da Ponte e fazer um sinal combinado para se encontrar com o general.

No entanto, mal chegou a Campo Maior, o soldado foi logo a casa do governador da vila, Rui Lourenço de Távora, contar-lhe o sucedido em Badajoz. O governador convocou o capitão João da Silva de Sousa e este foi com o soldado até Elvas, dar conta da situação ao mestre de campo general D. João da Costa. O fidalgo ficou muitíssimo contente com a possibilidade de causar grande dano à cavalaria inimiga e premiou o soldado com algumas patacas, para que comprasse um vestido. O soldado disse então que o seu único desejo era que o livrasse da obrigação de ser soldado, que não precisava de dinheiro, pois seu pai tinha o suficiente para lhe dar de comer, e que só desejava essa mercê do mestre de campo general. Assim lhe foi prometido, e mais livraria algum irmão, caso o tivesse e servisse de soldado.

Foi então combinado o modo como o soldado deveria orientar o general da cavalaria inimiga à armadilha. O plano foi urdido entre D. João da Costa, João da Silva de Sousa e o general da cavalaria André de Albuquerque Ribafria. Ficou decidido que deixassem cair nas mãos do inimigo 30 ou 40 cavalos, os quais iriam às pilhagens em território inimigo em duas partidas (designação dada aos grupos de unidades que faziam incursões) , sabendo apenas o comandante das unidades o que iria suceder. O soldado avisaria o general inimigo e as partidas seriam capturadas em dois dias seguidos, para que D. Álvaro de Viveros fosse induzido da boa fé do soldado português.

(continua)

Fonte: MMR (pgs. 284-286).

Imagem: Combate de cavalaria; detalhe do painel relativo à Batalha das Linhas de Elvas (1659), na “Sala das Batalhas” do Palácio dos Marqueses de Fronteira, Lisboa.

Anúncios

A”Passagem de Alcaraviça” – mais um contributo sobre este episódio da Guerra da Restauração, por Julián García Blanco

Há cerca de ano e meio, o Sr. Santos Manoel publicou aqui uma interessante narrativa sobre o combate das Vendas de Alcaraviça em 1645, em duas partes. Posteriormente, acrescentei uma pequena adenda sobre o destino de um dos militares envolvidos nesse episódio. Hoje é a vez do amigo e investigador Julián García Blanco nos trazer um documento que respeita à mesma acção. A parte introdutória foi por mim traduzida e adaptada.

Trata-se de um relato da autoria de Luis de Villarroel y Sandoval, que na altura era ajudante de cavalaria e testemunhou o combate, dirigido, em carta datada de 16 de Novembro de 1645 e escrita em Telena, a Melchor Cabrera, advogado dos Reales Consejos.

Nessa carta se diz que em 20 de Outubro tinha saído de Badajoz o Marquês de Leganés com 6.500 infantes e 1.800 cavalos. Às 4 da tarde de 20 de Outubro, um sábado, chegaram a Telena, onde fizeram alto, para depois seguirem até à ponte de Nossa Senhora da Ajuda (ponte de Olivença). O documento faz uma descrição minuciosa das operações para tomar o torreão situado no centro da ponte e o forte que defendia a entrada da ponte desde a margem esquerda do Guadiana (operações que são também apresentadas nas memórias de Mateus Rodrigues (Matheus Roiz),  aqui transcritas). Uma vez ganho o forte, o Marquês mandou destruir a ponte. Nesta operação gastaram-se 19 dias, e enquanto uma parte das forças se esforçava nas operações abrindo minas, o Marquês de Leganés enviou Sancho de Monroy para que, com 1.000 infantes escolhidos e 400 cavalos sob o comando do comissário geral Gregório de Ibarra, tentasse tomar Juromenha. A operação foi bem executada e as tropas castelhanas tomaram as trincheiras que defendiam o casario, porém vizinhos e soldados retiraram para o castelo, onde se fortificaram. Sancho de Monroy teve de retirar, pois não conseguiu que os seus homens pusessem um petardo para fazer voar a porta, nem contava com artilharia.

Cinco ou seis dias após este sucesso, um alferes de cavalaria da companhia de Alonso Cabrera informou que:

“…Al enemigo le benia de socorro vn tercio de ynfantería y que marchaba de estremoz a yelbes esto fue alarma de la noche a las dos salieron con mis (sic) caballos los dos comisarios jenerales Pedro Pardo de arguello y don gregorio de Ybarra romperlos y hallamoslos que los encontraron junto a las ventas de alcarauica vna legua y media destremoz auiendo corrido siete leguas a una parte y otra para alcanzarlos que sin ponerse en defensa biniedo todos armados dieron a huir y nuestra caualleria con todo desconçierto a seguirlos finalmte se degollaron mas de 350 trajeron prisioneros160 todos los demas se quedaron escondidos entre la espesura del terreno  y a lo que entiendo heridos los mas = entre los prisioneros binieron 4 capitanes y algunas vanderas que segun se diçe benian diez con ellos = esto ha de dar gran campanada en lisboa por ser la jente de miliçia de ebora y montemor escojido()y tan zercana a aquella ciudad = tengo por infalible que en el Ronpimiento de estos 700 hombres quiso dios  azer un milagro con nuestra caualleria siendo el ynstrumento del don gregorio de ybarra mi comisario general y fue que de las  diez y ocho tropas de caballos que llebauamos hiço haçer alto a ocho de ellas  en una cuesta y desde alli tocando llamadas apenas se podia recoger vn hombre  porque todos embebidos en el saco no tratauan codiçiosos de Retirarse estando esparçidos  por las caseri (os) del contorno en tanto estremo que el comisario general  Pedro Pardo llego casi solo Como los demas capitanes y offiçailes de las conpañias que faltauan = cosa que suçede siempre en esta caualleria por la mala disciplina deli()sados  que son sumamente ladrones = apenas se auian yncorporado  las tropas  quando al llegar al monte de la tapada del du(que) nos enbistio el enemigo por la Retaguardia con 650 caballos de Refresco pero en tierra tan estrecha que solo  con sus caballos dragones nos hacia daño y como nos vio ya incorpora(dos) nos dexo sin atreberse a esperarnos en lo llano si bien  lo pudieran haçer porquel mexor caballo nuestrono se pod(ia) mober y casi estaban todos Rendidos= y como digo ari() a benir media hora Antes nos coje esparçidos cada un(o) por su parte y se le perdiera al Rey la fuerça con que açe la gu(erra) a Portugal y el sr Marques de leganes no se y como se Ret(istio)

Escribo esto porque la mayor haçaña en las vitorias es saber vsar dellas dexando vatallones de Reparo cosa que a aqui no se a podido conseguir asta oy y asi puedo decir con verdad quel mayor serbiçio que echo ni tengo de açer al Rey el auer ayudado a don gregorio de Ybarra a juntar la jente que sin duda se vbiera perdido…”

A acção decorreu nos finais de Outubro de 1645, perto das Vendas de Alcaraviça.

Decidi publicar este documento tal como Julián García Blanco o tomou do original, devido ao interesse do seu conteúdo. No entanto, providencio seguidamente uma tradução:

…Ao inimigo vinha-lhe de socorro um  terço de infantaria, que marchava de Estremoz para Elvas, isto foi alarme da noite. Às duas saíram com os meus cavalos os dois comissários gerais, Pedro Pardo de Arguello e Dom Gregorio de Ibarra, a derrotá-los. Encontraram-nos junto às Vendas de Alcaraviça, uma légua e meia de Estremoz, havendo corrido sete léguas de uma parte e outra para os alcançar, que sem se porem em defesa, vindo todos armados, deram em fugir, e a nossa cavalaria, com todo o desconcerto, a segui-los. Por fim se degolaram mais de 350, trouxeram prisioneiros 160, todos os demais ficaram escondidos entre a espessura do terreno, ao que entendo feridos na maior parte. Entre os prisioneiros vieram 4 capitães e algumas bandeiras, que segundo se disse vinham dez com eles. Isto há-de dar grande falatório em Lisboa, por ser a gente de milícia de Évora e Montemor, escolhida e tão próxima daquela cidade. Tenho por infalível que na derrota destes 700 homens quis Deus fazer um milagre com a nossa cavalaria, sendo o instrumento dele Dom Gregorio de Ibarra, meu comissário geral, e foi que das  dezoito tropas de cavalos que levávamos fez fazer alto a oito delas  em uma encosta, e desde ali tocando chamadas apenas se pôde recolher um homem,  porque todos imersos no saque não tratavam, codiciosos, de retirar-se, estando espalhados pelo casario do local em tanto extremo que o comissário geral  Pedro Pardo chegou quase só, como os demais capitães e oficiais das companhias que faltavam, coisa que sucede sempre em esta cavalaria pela má disciplina dos soldados que são sumamente ladrões. Apenas se haviam incorporado as tropas quando, ao chegar ao monte da Tapada do Duque, nos investiu o inimigo pela retaguarda com 650 cavalos de reforço, porém em terra tão estreita que só com seus cavalos dragões nos fazia dano, e como nos viu já incorporados nos deixou sem atrever-se a esperar-nos na planície, se bem o pudesse fazer, porque o melhor cavalo nosso não se podia mover e quase estavam todos rendidos. E como digo, [tivesse o inimigo] chegado meia hora antes, nos colhia espalhados cada um por sua parte, e se perderia ao Rei a força com que faz a guerra a Portugal, e o Senhor Marquês de Leganés não sei como resistiria.

Escrevo isto porque a maior façanha nas vitórias é saber usar delas, deixando batalhões de reserva, coisa que aqui não se pôde conseguir até hoje, e assim posso dizer com verdade que o maior serviço que fiz e tenho de fazer ao Rei é o haver ajudado a Dom Gregorio de Ibarra a juntar a gente, que siem dúvida se teria perdido…

Imagem: “O saque de uma aldeia”, pintura de Philips Wouwerman.

O novo contrato com os mercenários holandeses, Julho de 1644 (2ª parte)

Muitos afazeres profissionais têm impedido a actualização mais regular do blogue. Pelo menos até meados deste mês, a actualização continuará a ser feita numa base semanal, para posteriormente regressar a um ritmo mais habitual. Prossigamos, pois, com a transcrição do contrato:

8. Que as companhias deste Regimento constarão de sessenta até oitenta praças o mais, entendendo-se isto neste princípio. Refazendo-se depois de oitenta a cem praças dentro de dois meses.

9. Que os soldos que vencerem os soldados deste Regimento lhe serão pagos em mão de seus capitães, os quais por eles o repartirão, fazendo com que tenham sempre seus cavalos e armas consertadas.

10. Que os soldados que de presente se conduzirem e levantarem aqui nestas fronteiras para este Regimento haverão catorze patacas [4.480 réis], que faz um mês de soldo na forma da capitulação holandesa, e os que vierem de Lisboa e outras partes haverão seis mil réis.

11. Que ao tenente-coronel, oficiais e soldados deste terço lhe correrão seus soldos do primeiro de Agosto deste presente ano por este contrato se começar com eles no próprio dia.

12. Que aos soldados que se apresentarem no dito terço, do dia que aclararem praça em Lisboa ou aqui, lhes correrá seu soldo, sendo-lhes pago na conformidade que os demais, com declaração que os que assentarem praça em Lisboa serão obrigados a virem a servir na fronteira dentro de quinze dias, e não o fazendo assim não vencerão soldo.

13. E que nem um oficial do Regimento holandês possa levar consigo a Lisboa ou outra parte soldado dele sem expressa licença do Governador das Armas, nem pessoa alguma, de qualquer qualidade que seja, possa tirar ou levantar deste Regimento holandês que ora serve soldado algum, porquanto os que ficarem devem servir, e são obrigados, neste Regimento estrangeiro. Mas antes que o dito tenente-coronel poderá fazer leva dos soldados estrangeiros desobrigados, quantos lhe forem possível, em qualquer parte que seja, sem pessoa alguma de qualquer qualidade que seja lho contradizer.

14. Que Sua Majestade, ou o Governador das Armas em seu nome, será obrigado a sustentar e pagar este Regimento alguns anos na forma prescrita, e em caso que algum oficial ou algum soldado deste Regimento, por causas justas, requeiram ir em qualquer tempo, se lhes concederá licença para o poderem fazer, pagando-lhes tudo o que lhe dever.

15. Que Sua Majestade, ou o Governador das Armas em seu nome, será obrigado a que no Regimento haja os oficiais seguintes e soldados pagos pelos soldos abaixo declarados cada mês.

Oficiais da Primeira Plana

Ao tenente-coronel haverá por soldo cada mês cento e cinquenta patacas e outras noventa patacas, as quais Sua Majestade fez mercê ao dito tenente-coronel Alexandre van Harten, de maneira que ao todo vem a ser setenta e seis mil e oitocentos réis.

Ao ajudante, cada mês, dez mil réis.

Ao auditor do terço, cada mês, oito mil réis.

Ao preboste do terço, cada mês, oito mil réis.

Ao cirurgião-mor, nove mil e seiscentos réis.

Oficiais de cada uma companhia

Aos quatro capitães que trabalhando em esta leva haverão por soldo cada mês trinta e dois mil réis, e fora destas doze mil  oitocentos réis, os quais Sua Majestade foi servido fazer mercê em particular a cada um deles, pela razão acima, que vem a ser quarenta e quatro mil e oitocentos réis.

Ao tenente de cada companhia, dezoito mil réis.

Ao alferes, por cada mês, catorze mil réis.

Aos furriéis de cada companhia, por cada mês, sete mil e quinhentos réis.

Aos cabos de esquadra, que serão três de cada companhia, haverão cada um por mês sete mil e quinhentos réis.

Aos trombetas, haverão dois em cada companhia, haverá cada um por mês sete mil e quinhentos réis.

A cada um soldado, segundo o soldo português, cada mês seis mil réis.

A alguns oficiais reformados que queiram ficar no real serviço até que alcancem postos aqueles que Sua Majestade ou Vossa Excelência for servido de lhe fazer mercê. [Não está indicada a quantia]

Pelo dito modo se cerrou esta capitulação ou convenção acima e atrás escrita, de uma parte o Senhor Conde Governador das Armas em nome de Sua Majestade. Pela outra parte o tenente-coronel Alexandre van Harten, em nome de todos os oficiais e soldados, obrigados cada um a cumprir e guardar tudo o escrito nesta capitulação. E se fizeram dois deste. Um ficou ao Senhor Conde Governador das Armas, outro ao tenente-coronel Alexandre van Harten. Feita em Elvas a dezoito de Julho da era de mil seiscentos e quarenta e quatro anos.

Fonte: ANTT, Conselho de Guerra, Consultas, 1644, maço 4-B, documento anexo à consulta de 2 de Agosto.

Imagem: “Celebração da Paz de Münster”, de Bartolomeus van der Helst (Rijksmuseum, Amesterdão). O contexto político-diplomático em torno da Paz de Münster em 1648 influenciou o destino do regimento holandês de cavalaria ao serviço de Portugal, ainda antes de ser oficialmente celebrado o fim da Guerra dos 30 Anos. Não haveria um terceiro contrato com os holandeses enquanto unidade. Os militares que continuaram ao serviço em Portugal após 1647 fizeram-no a título individual, integrados em unidades portuguesas. Alexandre van Harten passou a ser comissário geral na província do Alentejo.