Emboscadas e estratagemas na Guerra da Restauração – Holandeses em Agosto de 1642 (parte 1)

Os militares holandeses que vieram para Portugal, contratados como mercenários, em Setembro de 1641, eram experientes veteranos da Guerra dos 30 Anos. Trouxeram consigo expedientes que, pela sua curiosidade, engenho e diferença de procedimentos em relação ao que era habitual ser posto em prática nas escaramuças na província do Alentejo, não escaparam aos cronistas e propagandistas da época. O caso que aqui vai ser trazido foi registado, com alguma diferença de pormenores, pelo cónego elvense Aires Varela e pelo capitão de infantaria e propagandista Luís Marinho de Azevedo. Sem mais comentários, passo a transcrever a versão de Aires Varela do sucedido em Agosto de 1642.

Os holandeses que assistiam nesta cidade [Elvas] houveram licença de D. João da Costa, que já de volta de Lisboa estava nela, para fazer entradas na terra do inimigo: oito holandeses se arriscavam com grande valor e maior indústria; saiam pela tarde e se faziam à volta de campo Maior, e como era noite, guiados pelas estrelas se emboscavam na terra do inimigo divididos, e um vigiava os caminhos, e segundo a gente que passava assim se resolvia. Levavam três clarins de que se valiam com grande indústria, porque sentindo-se apertados, tocando este instrumento em diversas partes entendia o inimigo que eram outras tantas tropas, e porque reparava fazendo altos, se punham os holandeses em cobro. Com esta indústria fizeram algumas pilhagens, em que traziam um e dois castelhanos, que entregavam pelo quinto, porque da revolta da presa não davam nada [o quinto de todas as pilhagens era obrigatoriamente entregue à Coroa – isto não se aplicava a prisioneiros de guerra, pelo que Aires Varela provavelmente ironiza aqui].

Tiveram notícia de uma feira, que se faz sobre o rio Tejo junto às barcas de Alconete, na ermida de Nossa Senhora da Alta Gracia, passaram duas léguas além de Badajoz esperar os castelhanos que dela vinham, e porque aquela terra é capina, perto do caminho fizeram covas em que se meteram, e cobriram as cabeças com mato, vigiavam tudo.

Passaram sete castelhanos, levantaram-se os holandeses tão de repente que ficaram atemorizados e sem poder resistir, levando armas com que o fazer. Os holandeses roubaram todos e trouxeram para quinto um alcaide do cárcere de Badajoz, que chamam João Alconero, e um tendeiro, que tem um filho médico naquela cidade.

Por muitas vezes continuaram este exercício com bom sucesso, o castelhano teve notícia do modo e por fim os veio cercar. Os holandeses se puseram em defesa como valentes soldados, os castelhanos lhes prometeram bom quartel [ou seja, que aceitavam a rendição, fazendo-os prisioneiros], que lhe não deram, antes depois de rendidos com muita crueldade os mataram.

Fonte: Aires Varela, Sucessos que ouve nas fronteiras de Elvas, Olivença, Campo Maior e Ouguella, o segundo anno da Recuperação de Portugal que começou em 1º de Dezembro de 1641 e fez fim em o ultimo de Novembro de 1642, Elvas, Typografia Progresso de António José Torres de Carvalho, 1906, pp. 92-93.

Imagem: “Militar holandês”, óleo de Joost Cornelisz, séc. XVII.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s