O combate do forte de São Luís (Minho, 8 de Fevereiro de 1664)

Legerplaats, Johannes Lingelbach, circa 1650-1674

Em 19 de Fevereiro de 1664 o Conselho de Guerra tomou conhecimento de um combate travado na fronteira de Entre-Douro-e-Minho, através de uma carta que o respectivo governador das armas, D. Francisco de Sousa, 2º Conde do Prado, remeteu ao dito Conselho, para que chegasse às mãos de D. Afonso VI. Trata-se de mais uma escaramuça, das muitas que caracterizaram a longa e desgastante guerra nas fronteiras, que aqui fica narrada, através da transcrição para português corrente da carta do governador das armas, datada de 10 de Fevereiro:

Por Manuel de Barbeita, governador da praça de Vila Nova, tive notícia de que a cavalaria que o inimigo tem no forte de São Luís se alargava a forragear mais do ordinário, por ser menos precatado o novo governador daquela praça, Dom João Taboada, que o seu antecessor que ali morreu há poucos dias. Pareceu-me não perder ocasião, assim como a dispus se executou e se logrou com boníssimo sucesso. Na noite de quinta-feira, sete deste mês, mandei emboscar o capitão de cavalos António Gomes de Abreu com os batalhões [unidades tácticas de cavalaria] que governava em Coura, por impedimento do tenente-general João da Cunha Sottomayor, que tive até agora naquela parte, a respeito de recear alguma correria do inimigo. Chegou o capitão António Gomes ao lugar ordenado, separou duas partidas que por diferentes partes haviam de correr as portas de São Luís para cortarem tudo o que houvesse saído à campanha. Por cabos destes partidos foram os tenentes Francisco de Abreu e Manuel Viegas, dando escolta a estas partidas dois batalhões com os capitães Manuel Pereira de Lacerda e Nicolau Ribeiro Priado. Pela parte de Vila Nova mandei chegar àquela parte a Manuel de Barbeita com trezentos mosqueteiros para dar calor à facção, quando as nossas tropas necessitassem de socorro da infantaria. Assim estiveram uns e outros guardando pontualmente a ordem que lhe[s] dei, até quase uma hora depois de meio-dia de sexta-feira, que foi a em que se deu o sinal e saíram as partidas, e as tropas que as seguiam e António Gomes de Abreu com a reserva do que ficava se foi chegando a lugar conveniente. As partidas e as tropas procederam com tanta bizarria, que por uma e outra parte cortaram por junto as portas de São Luís e vieram varrendo com a espada na mão tudo o que havia saído. Degolaram quantidade de valões e galegos considerável, tomaram-se cinquenta cavalos, quarenta e tantos confessam os interessados, cinquenta me diz uma guia que mandei com eles, trouxeram quinze prisioneiros valões, uma e outra gente toda bem luzida, os soldados de cavalo se aproveitaram de muitos e bons coletes e vestidos. Da praça de São Luís se disparou contra a nossa cavalaria muita artilharia e mosquetaria, porém foi Deus servido que não houve bala que tocasse a homem nem cavalo nosso. Querem alguns que se havia de esperar mais para que saísse mais cavalaria, porém António Gomes fez o que convinha em não esperar mais que até aquela hora, porque na parte aonde estava emboscado foi muito não ser descoberto de Galiza. Seja Vossa Majestade servido mandar agradecer a António Gomes de Abreu, cabo da facção, o bem que procedeu, e a Manuel de Barbeita do mesmo modo que foi quem ma enunciou e foi ajudar nela, e aos capitães Manuel Pereira de Lacerda e Manuel Ribeiro Priado, e aos tenentes Francisco de Abreu e Manuel Viegas, que todos procederam com grande valor e acerto.

Quis averiguar o número dos mortos, não o pude conseguir, porque na parte aonde foram degolados há uns giestais muito espessos, porém todos concordam muitos, e estrangeiros mais que galegos, que com pouca advertência costumavam sair agora por aqueles campos como se foram de Galiza. Guarde Deus a Real Pessoa de Vossa Majestade como havemos mister. Viana, 10 de Fevereiro de 1664.

Os três cabos maiores da cavalaria se não acharam nesta ocasião porque o general dela, Pedro César de Meneses, tinha passado à província de Trás-os-Montes, e o tenente-general Manuel da Costa Pessoa se achava indisposto em Ponte de Lima, e o tenente-general João da Cunha Sottomayor havia acudido a sua casa com ocasião da morte de sua mulher.

Fonte: ANTT, Conselho de Guerra, Consultas, 1664, mç. 24, consulta de 19 de Fevereiro de 1664.

Imagem: Soldados em acampamento, óleo de Joannes Lingelbach (1622-1674).

3 thoughts on “O combate do forte de São Luís (Minho, 8 de Fevereiro de 1664)

  1. Bon día, parabens como sempre por estes interesantes escritos, por outra parte e en relazon a zona de guerra do Minho teño feito un pequeno estudo da batalha de Vilanova 1658 que gostaría enviarlle por si fora de interese.

    pode contactar no meu mail : pasanta63@hotmail.com

    grazas
    carlos Durán

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s