Um “regresso” a Membrío

Era esta vila de mais de 100 vizinhos [c. de 450 habitantes] e com fama de rica pelo trato que tinha das lãs, situada em um lhano, e quase toda de casas terreiras, estava cercada de trincheiras de terra e barro, e as mais das bocas das ruas com suas costaduras da mesma; tem no meio uma igreja com sua torre quadrada, alta e coroada de ameias, donde se descortinavam as mais das ruas, ou por suas bocas, ou por cima dos telhados das casas, por serem baixas, defronte da porta da igreja todo o terreno, adro à maneira de meia lua, com uma parede de altura de dois homens, e vinte pés afastada do adro outra parede a modo de barbacã, que testavam nas esquinas das ruas que iam para a igreja, pelo lado esquerdo dela havia um cercado, onde estava algum gado, e pela direita outro cercado a modo de cemitério, que tornejava a sacristia, tudo com suas torneiras, donde se disparava.

(in Rellação do saque e queima da Villa de Membrio em 28 de Abril deste prezente anno de 644 (Arquivo Histórico Militar, 1ª divisão, 2ª secção, caixa 2, nº 26.)

A narrativa do assalto de forças portuguesas a Membrío foi aqui publicada há 10 anos (1ª parte, 2ª parte e 3ª parte). Convido-vos a revisitar a referida narrativa, agora com uma fotografia da vila, resultado de uma recente e pacífica incursão à bonita região onde se situa.

Anúncios