A última campanha de Mateus Rodrigues – a reconquista de Mourão, Outubro-Novembro 1657 (6ª e última parte)

StoopDirk1784

Logo que Francisco Pacheco aceitou ficar na praça, mandou arrimar ao terço as armas e marcharam logo para dentro da praça em companhia do senhor Joane Mendes e mais senhores do governo (…). Assim como a nossa gente entrou (…), já o inimigo estava posto em via para marchar fora, com suas armas às costas e bala em boca e mecha calada, e a cavalaria, que eram 80 cavalos, começaram a ir saindo (…) da praça, a formar-se lá fora dela, até que fosse saindo as suas bagagens, que se andavam carregando dentro em cavalgaduras nossas, que lhe deram para isso até dentro de Olivença, que são de Mourão lá sete léguas.

(…) Foram marchando os castelhanos com a cavalaria diante e o seu governador e logo a infantaria atrás, onde iam muitos feridos, e já digo que seriam 300 homens com a cavalaria pouco mais ou menos. Em a praça deixavam enterrados alguns mortos, que sempre seriam mais de 30 homens, mas os feridos passavam de 40 homens.

Antes que este inimigo saísse da praça (…), marcharam todos os nossos terços e a cavalaria para junto da estrada por onde o inimigo havia de passar, para que visse o nosso poder, que no que toca à nossa infantaria, nunca houve reino que em campanha bote tão boa infantaria e toda de uma só nação, que se admiraram os castelhanos vendo tal gente.

Estavam os terços como digo em ala com as armas nas mãos em pé pela borda da estrada adiante, e no cabo deles toda a nossa cavalaria em batalhões formada, e tudo fazia comprimento de meia légua. Foi passando o inimigo ao pé da nossa gente e não se falava palavra de uma e outra parte. Ia diante deles também o senhor mestre de campo general André de Albuquerque [Ribafria] e o senhor Dom Sancho [Manuel] diante com o governador castelhano. E assim como este seu governador da praça foi passando pela nossa infantaria, ficou tão admirado que disse “Boto a Cristo que se El-Rei de Espanha houvera tal infantaria como é esta, que fora senhor de todo o mundo”. De modo que foram marchando até acabarem de passar por toda a nossa gente, e ali fizeram alto até que acabou de chegar toda a sua bagagem e logo mandaram eles de comboio a cem cavalos, a saber: a minha companhia e a do tenente-general Dinis de Melo, mas ele não foi lá, senão o seu tenente Manuel Dias Veloso, e o meu capitão Pedro César de Meneses por cabo das duas tropas. Lá fomos comboiando a este inimigo até um lugar despovoado chamado Cheles, que são três léguas de Mourão, e ali já estavam outros cem cavalos de Olivença, do inimigo, aguardando por eles, por se lhe haver já mandado aviso para que viesse em busca deles. Ali fez o meu capitão entrega do comboio que levava e despediu-se deles, porque naquele dia até noite havia trégua de posses para efeito de se recolher aquela gente. Marchando logo foi o inimigo para Olivença e nós nos voltámos para o nosso exército, chegando ao quartel quase à meia-noite e muito bem molhados, que todo aquele dia choveu muito. E ia o nosso exército muito enxovalhado por causa do tempo, que não pode haver inimigo mais contrário que o tempo.

Vendo o senhor Joane Mendes o estado em que estava a praça de Mourão, que uma ovelha entraria pela brecha que tinha, e muito desmantelada, não se quis abalar com o exército até que não o pusesse em via de defesa e ficar mais segura.

Logo Francisco Pacheco, que (…) ficou na guarnição da praça com o tenente e com mais gente que lhe deram e muitos pedreiros começaram bravamente a taparem a brecha do muro grande, que era o principal e mais conveniente para ficarem mais descansados, e tiveram tanto trabalho que mais de trinta noites dormiram ao pé da muralha vestidos e calçados, até que se acabou de tapar a brecha. E como esteve tapada, começaram então as mais obras necessárias, mas o senhor Joane Mendes [de Vasconcelos] não esteve na campanha mais de dois dias depois que o inimigo despejou, que mais tempo havia de estar se o tempo dera lugar, mas como havia rio de passar, que é Guadiana, não se podia fazer dilação da outra banda mais tempo do que se fez, porquanto o tempo se vinha chegando muito de chuva.

Aos trinta e um dias do dito Outubro se abalou o nosso exército para suas praças (…). Ficou Francisco Pacheco [Mascarenhas] (…) na guarnição da praça com 700 homens infantes, muito boa gente, e duas tropas de cavalo, e desde a hora que ele tomou entrega da praça, que foram 28 do dito Outubro, até à hora que me ausentei, que foram em 15 do mês de Abril de 658, ficava já a praça de Mourão em tal altura que o inimigo não tinha que vir buscar a ela (…). (MMR, pgs. 441-445).

Note-se que Mateus Rodrigues refere que se ausentou de Mourão a 30 de Março de 1658 (vide 5ª parte desta narrativa) e aqui data a sua partida em 15 de Abril do mesmo ano. A discrepância justifica-se pelo facto da segunda data se aplicar à retirada definitiva do Alentejo por parte do memorialista.

Imagem: Cena de batalha, gravura de Dirk Stoop.

Cavaleiros e hábitos das Ordens Militares

No século XVII português há muito que estavam remetidos à memória os feitos das Ordens Militares na conquista do território que viria a ser Portugal e na sua consolidação enquanto Reino. Todavia, o prestígio das Ordens permanecia bem forte – e o proveito monetário dos seus membros também. Com a passagem da tutela dos Mestrados das Ordens Militares para a Coroa no século XVI, instalou-se uma verdadeira economia da mercê, em que as comendas eram atribuídas livremente pelo rei a quem bem entendesse. Muito procurados por quem ambicionava aumentar a sua reputação social (e inerente pecúlio), os hábitos das Ordens Militares eram um sinal de privilégio e de proximidade ao monarca por parte deste grupo restrito de servidores. Em Portugal, ao contrário do que sucedia em Espanha, não era necessário ser-se fidalgo para requerer o hábito: bastava provar que os ancestrais do requerente, até à geração dos avós, não tinham desempenhado qualquer ofício mecânico (trabalho braçal), nem tinham sangue cristão-novo.

Durante a Guerra da Restauração, entre o exército pago que combatia nas fronteiras, muitos eram os oficiais que integravam Ordens. Não só portugueses, mas também espanhóis e de outras nações – o prestígio de pertencer a uma Ordem Militar era comum aos católicos de toda a Europa. Ostentava-se o privilégio através do hábito, que já nada tinha que ver com o trajo medieval, limitando-se a um capotilho, ou a uma capa fechada sobre o peito, na qual surgia a cruz  respeitante à Ordem. O negro era a cor mais comum destes hábitos – uma cor cara, por ser difícil de tingir uniformemente com qualidade e de manter-se no vestuário com o uso.

Mas o hábito podia significar, apenas, a insígnia da respectiva ordem, que se usava sob as armas ou o colete, pendente de um colar ou fita. O cónego Aires Varela escreveu, a propósito de um recontro nas proximidades de Badajoz em Setembro de 1642, o seguinte:

Nesta facção [combate] morreram Castelhanos nobres, pela notícia que se teve do sentimento que se fez em Badajoz, e porque também se achou no campo um hábito de ouro com a Cruz de Santiago, e outras insígnias de nobreza.

Outras fontes referem o uso frequente deste género de hábitos, especialmente entre os oficiais da cavalaria.

O capitão francês Henri de La Morlaye (chegado a Portugal em Setembro de 1641 e morto em combate em Outubro de 1642) era conhecido como o Maltês, por ostentar um hábito da Ordem de São João de Jerusalém (Hospitalários), designada como Ordem de Malta a partir de 1530. O Maltês tinha um primo com nome idêntico ao seu, chegado na mesma altura e seu companheiro de armas, o qual morreu em combate em Maio de 1649, quando já era comissário geral na Beira.

Numa época em que os uniformes ainda não eram comuns, os hábitos – sob a forma de capas ou capotilhos, ou apenas o colar com a insígnia – constituíam o sinal visível da pertença a uma unidade – não no sentido militar do termo, mas no de uma verdadeira irmandade.

Bibliografia:

OLIVAL, Fernanda, As Ordens Militares e o Estado Moderno. Honra, Mercê e Venalidade em Portugal (1641-1789), Lisboa, Estar Editora, 2001. (Não se trata de uma obra de História Militar)

VARELA, Aires, Sucessos que ouve [sic] nas fronteiras de Elvas, Olivença, Campo Maior e Ouguella, o segundo anno da Recuperação de Portugal, que começou em 1º de Dezembro de 1641 e fez fim em o ultimo de Novembro de 1642, Elvas, Typografia Progresso de António José Torres de Carvalho, 1906 (excerto: pg. 106).

Imagem: Pormenor de um quadro de Dirk Stoop (década de 1650), representando dois cavaleiros portugueses com seus hábitos e a Cruz da Ordem de Cristo. Museu da Cidade de Lisboa.

Linhas de Elvas, 14 de Janeiro de 1659 (água-forte de Dirk Stoop)

Já aqui tinham sido apresentados pormenores desta água-forte de Dirk Stoop, agora mostrada na totalidade, embora com prejuízo do detalhe devido à escala de redução. Não obstante, trata-se de uma excelente representação de um combate durante a batalha das Linhas de Elvas, 14 de Janeiro de 1659.

Biblioteca Nacional, Iconografia, E 648 A.

Desfile no Terreiro do Paço, 1662

Água-forte da autoria de Dirk Stoop, aqui numa reprodução alemã. O pintor flamengo acompanhou a princesa D. Catarina de Bragança a Inglaterra, na ocasião dos esponsais com o rei Carlos II. A cena retrata o embarque da filha de D. João IV e de D. Luísa de Gusmão em 20 de Abril de 1662. Note-se a semelhança da disposição da força militar, em segundo plano na parte superior da água-forte, com o quadro que representa uma formatura militar no Terreiro do Paço, do espólio do Museu da Cidade de Lisboa. Trata-se, com pouca margem para dúvidas, de uma composição inspirada na mesma ocasião. Stoop também pintou o desfile da entrada de D. Catarina em Londres, num quadro onde também são evidentes as similitudes com o cortejo apresentado em primeiro plano na parte superior da água-forte.

Biblioteca Nacional, Iconografia, E1977V.


O trombeta

Trombeta não era propriamente um posto, mas um cargo. Existia somente nas unidades de cavalaria, cumprindo a sinalização sonora das ordens que na infantaria cabia aos tambores (ou atambores, como na época também se dizia). O instrumento de sopro designava o cargo. Mas as funções do trombeta não se limitavam aos toques de bota-sela, cerra a eles! (a “carga!” de tempos posteriores, pois no tempo da Guerra da Restauração o termo carga significava disparar uma arma de fogo), retirada e outros. Era um elemento importante como parlamentário na altura dos contactos com o inimigo, mensageiro entre unidades, até espião, quando as circunstâncias o proporcionavam. Sobre o trombeta escreveu D. João de Azevedo e Ataíde na página 28 do seu rascunho:

O ofício de trombeta não é de si mecânico como os tambores da infantaria, antes podem subir e vir a montar por suas partes [isto é, ascender na hierarquia militar pelo valor demonstrado]. Convém que sejam práticos e entendidos, para que quando suceder haverem de levar algum recado ou embaixada ao campo inimigo, o saibam dar e notarem o que lá virem para o referir pontualmente, com tal sagacidade que o inimigo não possa tirar deles coisa alguma, com que venha em conhecimento de algum segredo escondido, além do que um bom trombeta ornamenta uma companhia.

Convém que saiba ler e escrever para tomar as listas das guardas por escrito, e ir avisá-las quando for mandado (…). Costuma ter uma companhia dois trombetas. Um aloja em casa do alferes, aonde está o estandarte, e o outro com o capitão da companhia. Ambos devem de ordinário trazer consigo os trombetas para que, oferecendo-se por necessário haverem de tocar, não façam dilação nenhuma.

A referência ao ofício mecânico dos tambores de infantaria alude ao trabalho braçal, o qual desvalorizava o indivíduo na hierarquia social. Na representação mental dos valores sociais da época, o trombeta tinha assim um ofício mais honrado. O trajo do trombeta era (quando possível) mais vistoso e elaborado do que os demais militares, daí a alusão à “ornamentação” que proporcionava à companhia. Embora isso não seja realçado pelas fontes iconográficas disponíveis para o exército português do período, era comum entre exércitos estrangeiros.

Alguns trombetas do exército português eram de raça negra. Como nota final, registe-se que da trombeta (instrumento de sopro) pendia uma bandeirola com o escudo real português.

Imagens: Em cima, pormenor de um painel do biombo do Visconde de Fonte Arcada (arte sino-portuguesa), representando trombetas do exército português. Museu Nacional de Arte Antiga. Ao meio, pormenor da água-forte de Dirk Stoop sobre a Batalha das Linhas de Elvas, 1659 – note-se o trombeta à margem do combate; Biblioteca Nacional, Iconografia, E1090V. Em baixo, trombeta aguardando que um oficial componha a mensagem que irá entregar. Quadro de Gerard Terborch (década de 60 do séc. XVII), Gemäldegalerie, Dresden.

Infantaria portuguesa, década de 1650

Pormenores de um quadro atribuído ao pintor flamengo Dirk Stoop (1610-1686), patente no Museu da Cidade de Lisboa. Representa um cortejo (provavelmente régio) no Terreiro do Paço, saudado por uma pequena força militar. É plausível que a cena retratada se situe na  primeira metade da década de 50 do século XVII. Dirk Stoop trabalhou em Portugal durante os anos 50 e 60.

Na primeira imagem estão representados piqueiros sem armadura (piques secos; também se dizia picas secas, embora o termo pica fosse castelhano e Joane Mendes de Vasconcelos recomendasse a sua substituição pelo termo português).

Na segunda, a cavalo e à frente de uma fileira de mosqueteiros está um mestre de campo (embora também possa ser um sargento-mor, uma vez que este oficial também tinha direito a montada). No entanto, caso a força fosse oriunda da ordenança de Lisboa, o oficial não seria mestre de campo mas coronel, e em vez de terço, a unidade seria designada por regimento, por tradição. A propósito do posto de sargento-mor, veja-se esta nota num outro blogue de História Militar, o excelente “Lagos Militar”.

Na terceira e última imagem, igualmente à frente da fileira de mosqueteiros, está um sargento, reconhecível pela alabarda que servia como insígnia do seu posto, arma pessoal e instrumento para alinhar as fileiras.