Cavalaria do exército do Alentejo em Junho de 1644

Joseph Parrocel

Cerca de um mês após o fraco desempenho da cavalaria do exército da província do Alentejo na batalha de Montijo, era este o efectivo das companhias portuguesas, segundo a mostra de 29 de Junho de 1644:

Companhia do general da cavalaria (Francisco de Melo, monteiro-mor do Reino): soldados montados – 82; apeados – 13; carabinas – 82; pistolas – 110; peitos – 65; espaldares – 63; murriões – 35.

Cª do tenente-general (D. Rodrigo de Castro, ausente por doença): soldados montados – 64; apeados – 0; carabinas – 46; pistolas – 57; peitos – 40; espaldares – 40; murriões – 38.

Cª do comissário-geral (Gaspar Pinto Pestana, exonerado e preso por ordem régia após a batalha de Montijo; cª a cargo do tenente): soldados montados – 56; apeados – 14; carabinas – 38; pistolas – 54; peitos – 43; espaldares – 43; murriões – 40.

Cª do capitão D. António Álvares da Cunha: soldados montados – 76; apeados – 0; carabinas – 67; pistolas – 94; peitos – 96; espaldares – 96.

Cª do capitão Fernão Pereira de Castro (prisioneiro em Espanha desde a batalha de Montijo; cª a cargo do tenente): soldados montados – 64; apeados – 2; carabinas – 51; pistolas – 61; peitos – 51; espaldares – 51.

Cª do capitão D. Francisco de Azevedo: soldados montados – 71; apeados – 5; carabinas – 44; pistolas – 95; peitos – 41; espaldares – 41.

Cª do capitão Francisco Barreto de Meneses: soldados montados – 59; apeados – 5; carabinas – 50; pistolas – 35; peitos – 24; espaldares – 24.

Cª do capitão D. Diogo de Meneses (prisioneiro em Espanha desde a batalha de Montijo; cª a cargo do tenente): soldados montados – 55; apeados – 6; carabinas – 48; pistolas – 87; peitos – 53; espaldares – 53.

Cª do capitão António de Saldanha: soldados montados – 44; apeados – 1; carabinas – 28; pistolas – 30; peitos – 17; espaldares – 17.

Cª do capitão D. João de Azevedo e Ataíde: soldados montados – 91; apeados – 1; carabinas – 63; pistolas – 78; peitos – 44; espaldares – 47; murriões – 47.

Cª do capitão D. Henrique Henriques: soldados montados – 49; apeados – 7; carabinas – 42; pistolas – 61; peitos – 35; espaldares – 35; murriões – 30.

Cª do capitão João de Saldanha da Gama (morto em combate na batalha de Montijo; cª a cargo do tenente): soldados montados – 88; apeados – 0; carabinas – 66; pistolas – 80; peitos – 51; espaldares – 51; murriões – 51.

[dragões] do capitão António Teixeira Castanho: soldados montados – 56; apeados – 2; arcabuzes – 56.

Efectivos totais: 911 (855 soldados montados, 56 apeados); não entram nesta conta os oficiais das companhias, capelães, furriéis, trombetas e ferreiros. Conforme se verifica, apenas metade das companhias dispunha de murriões ou capacetes. É notória a falta de armas de fogo (recorde-se que a dotação nominal por soldado seria de um par de pistolas e uma carabina). Todas as companhias de cavalaria eram, de facto, de cavalos arcabuzeiros, mesmo que honorificamente as dos oficiais superiores fossem classificadas como couraças – os verdadeiros cavalos couraças só seriam introduzidos em Setembro dese ano, com equipamento defensivo mais completo para os seus militares.

Fonte: ANTT, Conselho de Guerra, Consultas, 1644, mç. 4-A, nº 264, doc. anexo à consulta de 12 de Julho de 1644, “Rezumo das Companhias de Cauallo que neste Ex.to Seruem a SMgde Apresentado na mostra que se comesou em 29 de Junho 1644″.

Imagem: “Combate de Cavalaria”, Joseph Parrocel, Museum der bildenden Künste, Leipzig.

Gaspar Pinto Pestana

Parrocel

Gaspar Pinto Pestana foi comissário geral da cavalaria do Alentejo durante três anos, entre 1641 e 1644. Nesse período, dada a pouca cavalaria existente e a limitada experiência militar do seu superior hierárquico, o general da cavalaria Francisco de Melo, Monteiro-Mor do Reino, era frequente recair em Gaspar Pinto a tarefa de formar e organizar em batalha a força de cavalaria. Gaspar Pinto Pestana teve também o título honorífico de coronel, para que pudesse ser equiparado aos comandantes dos regimentos de cavalaria estrangeiros (os franceses e o holandês) que se encontravam ao serviço da Coroa portuguesa nos primeiros anos da Guerra da Restauração. A sua carta patente, passada em 13 de Novembro de 1641, atesta a experiência adquirida durante a Guerra dos 30 Anos (texto vertido para português corrente):

D. João, etc, faço saber aos que esta minha carta patente virem, que por convir a meu serviço nomear pessoa de confiança, qualidade e experiência das coisas de guerra, para servir o cargo de comissário geral da cavalaria do exército da província de Alentejo, que está vago por morte de Francisco Rebelo de Almada, e concorrendo todas estas boas partes na do capitão de cavalos Gaspar Pinto, a quem tinha ordenado fosse no mesmo ofício servir as comarcas de Trás os Montes, por se haver ocupado há vinte e dois anos em guerra viva, assim em Itália como Alemanha, Palatinado, Boémia, Hungria e Saxónia, em que ocupou os postos de ajudante, tenente e capitão de cavalos couraças (…). (ANTT, Conselho de Guerra, Secretaria de Guerra, Registos, Lvº 2º (1640-1642), fls. 110-110 v)

As variadas fontes que referem as acções em que participou Gaspar Pinto Pestana deixam perceber que era um comandante competente, mas sem grande carisma. Após a batalha de Montijo, em 26 de Maio de 1644, foi alvo de um processo e perdeu o posto – tudo por causa do péssimo comportamento da cavalaria portuguesa nessa batalha. Morreu poucos anos depois. A sua viúva, D. Brites de Matos, casou com um outro oficial de cavalaria, o ajudante francês Carlos (Charles) de La Grizille, de quem teve um filho. Porém, a desditosa senhora enviuvou pela segunda vez em 1658, quando La Grizille faleceu em consequência de graves ferimentos recebidos durante o cerco de Badajoz.

Imagem: Joseph Parrocel, “Combate junto a um moinho”, segunda metade do séc. XVII.

Os dragões em acção – 1642

O emprego táctico dos dragões ficou registado em algumas fontes narrativas. O clérigo elvense Aires Varela refere uma acção ocorrida em Junho de 1642, nas imediações de Elvas, quando a companhia era comandada pelo capitão António Teixeira Castanho (o trecho que se segue foi vertido para português corrente):

Vendo que o Castelhano não se resolvia [a atacar], mandou [o general da cavalaria Francisco de Melo] ao comissário [Gaspar] Pinto Pestana travasse a escaramuça, assim o fez, lançou algumas tropas, o inimigo as recebeu com valor, deram carga [ou seja, dispararam] destramente, entraram logo o capitão António Teixeira, e o tenente António Banha com os dragões, quando foi tempo fizeram sua obrigação com destreza, e perda do inimigo, e montaram sem nenhum dano pela guarnição que lhes assistia.

Como se percebe, os dragões operavam como infantaria, desmontando para combater a pé. No entanto, era norma acompanharem a cavalaria.

Meses mais tarde, em Outubro, os dragões estiveram envolvidos noutra acção bastante perigosa, narrada pelo soldado Mateus Rodrigues. Nela participou, como comandante das forças portuguesas, o coronel francês François de Huybert de Chantereine :

[O coronel Chantereine] mandou ao comissário [Gaspar Pinto Pestana] que, em chegando à ribeira de Valverde, (…) se pusessem os dragões metidos na ribeira entre os alandroeiros, que os havia pela ribeira mui altíssimos, e emboscados ali para darem carga ao inimigo, que nos havia de apertar muito na passagem da tal ribeira, como de feito assim o fez, que se não foram os dragões com suas cargas, que imaginou o inimigo que estava na ribeira a nossa infantaria, que ele ali não ia apertando bravamente, e logo se fizeram ao largo com toda a cavalaria em um alto, e nós da banda de além da ribeira em outro, mas os dragões nunca se tiraram da ribeira até que o inimigo se foi, para não os verem sair.

Como curiosidade, o baptismo de fogo do soldado Mateus Rodrigues aconteceu em Setembro de 1641, junto à ribeira do Caia, precisamente contra uma unidade de dragões irlandeses ao serviço do exército de Filipe IV. Os dragões desmontaram para receber a tiro a cavalaria portuguesa, fazendo fogo com o arcabuz apoiado na sela. No entanto, dado o tiro logo montaram e tentaram pôr-se em fuga, mas foram alcançados e abatidos pelos portugueses.

Bibliografia:

VARELA, Aires, Sucessos que ouve [sic] nas fronteiras de Elvas, Olivença, Campo Maior e Ouguella, o segundo anno da Recuperação de Portugal, que começou em 1º de Dezembro de 1641 e fez fim em o ultimo de Novembro de 1642, Elvas, Typografia Progresso de António José Torres de Carvalho, 1906 (excerto: pg. 66).

Manuscrito de Matheus Roiz, transcrição do códice 3062 [Campanha do Alentejo (1641-1654)] da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Lisboa, Arquivo Histórico Militar, 1952 (referência ao baptismo de fogo: pgs. 5-6; excerto: pgs. 33-34).

Imagem: Mosqueteiros cercados: o grande problema da infantaria (e dos dragões apeados) quando enfrentava tropas montadas sem a protecção dos piqueiros. Habitualmente pedia quartel (rendia-se) ou… era massacrada. Foto do autor, reconstituição histórica da Guerra Civil Inglesa, Kellmarsh Hall, 2007.