Em torno das noções de fidelidade e de identidade no contexto da Guerra da Restauração

nrdlingenterciotorralto

No momento em que se aproxima mais um final de ano, começo por agradecer aos amigos Juan Antonio Caro del Corral e Julián García Blanco, que tão generosos têm sido na oferta de preciosa documentação para os meus trabalhos em geral e para a continuidade deste blog em particular. Um grande bem haja a ambos! Agradecimentos que estendo a todos quantos têm colaborado, directa ou indirectamente, para a continuação deste espaço, através de comentários e sugestões.

Uma das últimas ofertas que me chegou por via de Julián García Blanco foi um artigo de Antonio José Rodriguez Hernández, intitulado Nación, Fidelidad y Frontera durante la Guerra de Restauración de Portugal (1640-1668), comunicação apresentada às XII Jornadas de Historia en Llerena (sob o tema geral: “España, Nación y Constitución y otros estudios sobre Extremadura”).

Trata-se de um artigo com muito interesse, debruçando-se sobre as mudanças de campo de portugueses e espanhóis durante a Guerra da Restauração e as suas motivações. Todavia, gostaria de enumerar alguns pontos em relação aos quais não estou em sintonia com as conclusões do autor. Em primeiro lugar, a generalização algo arriscada de que foram em maior número as deserções portuguesas para o campo oposto do que as espanholas. Não contesto esta opinião por qualquer preconceito de índole nacionalista, mas muito simplesmente porque não há dados quantitativos sólidos que permitam tecer uma conclusão tão peremptória como aquela. Seria necessário compilar, de uma maneira minuciosa, e comparar posteriormente toda a documentação referente a episódios de deserção para o campo inimigo. Tarefa que, não sendo impossível de concretizar, não é de maneira nenhuma fácil, tendo em conta a falta de dados quantitativos objectivos acerca deste fenómeno. É diferente ter uma intuição de base empírica, de fundamentar uma conclusão assente em dados concretos.

Em segundo lugar, coloco algumas reservas em relação à terminologia utilizada, nomeadamente quanto  de forma ao conceito de ideologia. Tendo em conta a estrutura mental e conceptual da época, aquilo que hoje em dia podemos considerar como ideologia era praticamente monopolizado, no século XVII, pelas concepções religiosas – com destaque óbvio para a divisão entre as várias crenças monoteístas (cristianismo, islamismo, judaísmo), e de forma mais aguda, no período em causa e na Europa ocidental em particular, no que respeita às diversas maneiras de exprimir a religião cristã, com o confronto aberto desde o século XVI entre o catolicismo e as Igrejas reformistas. Curiosamente, era este um dos aspectos que mais aproximava os campos em confronto (portugueses e espanhóis), em contraposição a alguns dos seus aliados, nomeadamente os holandeses e ingleses (e alguns franceses) que vieram para Portugal ajudar a combater os exércitos de Filipe IV.

Por fim, há que ter em conta que não era só a nação de origem – para utilizar um termo em uso na época – ou a religião que contavam como elementos polarizadores da noção identitária. O sentimento de fidelização a um soberano e os interesses pessoais e particulares (que, embora de forma muito diferente, tinham expressão em todas as categorias sociais) eram muito importantes. Será aí que devemos procurar, em primeiro lugar, a explicação para a manutenção de fidelidades de portugueses ao soberano espanhol e vice-versa, por ocasião do rompimento da monarquia dual. A guerra que se seguiu quebrou equilíbrios e vivências de décadas, particularmente sentidas nas fronteiras agora de novo demarcadas e em ebulição. E se em alguns casos se manteve a cooperação entre as populações (por vezes, em oposição às próprias forças militares), em muitos outros se verificou uma verdadeira guerra de vendetta e de rivalidades locais.

Estes breves reparos não pretendem beliscar o estudo meritório de Rodriguez Hernández, mas tão somente contribuir com alguns pontos de vista diferentes para a problemática. Curiosamente, entre os nomes que o autor refere, de espanhóis que permaneceram fiéis à Coroa Portuguesa após a Aclamação, falta um bem importante: o do sargento-mor Antonio Gallo, que serviu no exército do Alentejo entre 1641 e 1644 e que, já avançado em anos e doente, em 1645 se aposentou, fixando residência na ilha Terceira. Foi autor do tratado militar Regimiento Militar, que trata de como los soldados se hande governar, obedecer, y guardar las ordenes, y como los oficiales los han de governar (Lisboa, Paulo Craesbeeck, 1644). Também Domingos da Ponte, o Galego, que viajou para Portugal com D. Francisco Manuel de Melo (o prolífico literato – não confundir com o homónimo que comandou as forças espanholas na batalha de Rocroi) e muitos ex-combatentes portugueses do exército da Flandres, foi outro oficial que ganhou notoriedade ao serviço de Portugal. De resto, as mudanças de campo eram muitas vezes motivadas por questões pessoais, sobretudo crimes cometidos num dos reinos e em relação aos quais o indivíduo procurava escapar à justiça régia. O mestre de campo napolitano D. Pedro Opecinga trocou o exército espanhol pelo português por via de um caso desses, tal como o fez outro mestre de campo, D. Sanchez del Pozo (referido no artigo de Rodriguez Hernández). Entre os oficiais de menor categoria – tanto no que respeita à patente como ao estrato social – e sobretudo entre os soldados, as necessidades que padeciam na zona de guerra eram muitas vezes determinantes para a deserção em direcção ao território do inimigo. Todavia, como procurei demonstrar em O Combatente da Guerra da Restauração, este fluxo era o menos importante de todos os destinos da deserção, que se dirigia, principalmente, para as terras de origem dos militares foragidos.

Dois casos referidos no estudo merecem uma menção particular. O capitão de cavalos português ao serviço do exército espanhol João Dias de Matos, desertor em 1657 e responsável pela conquista de Olivença nesse ano, não seria propriamente um exemplo de fidelidade a uma causa. É mencionado em várias fontes portuguesas, entre as quais o Memorial de Mateus Rodrigues. Enquanto furriel de cavalaria, foi um dos espiões infiltrados em Badajoz, aquando da fracassada tentativa portuguesa de tomar aquela importante praça de armas pela traição em 1652. Foi tenente da companhia de D. Luís de Meneses e a deserção em 1657 terá sido motivada pelo descontentamento com a sua situação e pela ambição em alcançar mais altos voos. Tratava-se de um aventureiro, como outros havia em ambos os exércitos. Acabou mal, tendo sido capturado por militares portugueses em 1660 e enforcado.

O outro caso, porventura mais interessante, é o do capitão de cavalos Manuel Vaz. Rodriguez Hernández refere-o como Manuel Báez e cita-o como exemplo de um dos casos em que uma companhia inteira teria desertado. Passo a transcrever uma parte do artigo, pois complementa o que a documentação portuguesa refere acerca deste oficial:

En 1660 toda una compañia de caballería portuguesa se pasó al bando español. Para conseguirlo el capitán de lamisma, Manuel Baéz, inventó una argucia para evitar los recelos de sus superiores. Con la escusa de disponer una fiesta con su familia en una ermita cercana a Campo Maior, el capitán llevó a su compañia como convoy sin ser advertido, pasándose a los españoles con su familia y parientes, pero también con la mayor parte de sus soldados. Éstos no conocían el designio de su capitán, por lo que algunos se resistieron, trabándose una pequeña escaramuza con las tropas estremeñas que salieron a recibirlos. En total cerca de 40 personas cambiaron de bando, estando entre ellos la mujer del capitán, su cuñado, varios primos del capitán y otros familiares y adeptos. En Portugal Manuel Báez dejaba 6.000 ducados de hacienda, por lo que fue recompensado con nuevos puestos en el ejército y diferentes ayudas de costa, algo que se extendió a sus parientes. (pg. 72)

Manuel Vaz era um oficial muito capaz e de boa reputação, destacando-se pelo menos desde os inícios da década de 50 como valente militar, quando servia como tenente de cavalos na companhia do capitão João da Silva de Sousa. A ele se refere com admiração Mateus Rodrigues, nas suas memórias. Já como capitão, continua a receber elogios, como se vê numa carta de Joane Mendes de Vasconcelos de 18 de Setembro de 1657, a propósito de uma escaramuça nos arredores de Campo Maior. O que levaria um oficial veterano com tal folha de serviços a desertar e a deixar para trás tão valioso património? Muito simplesmente: para escapar às garras da Inquisição. Manuel Vaz era cristão-novo e estava na iminência de ser preso pelo Tribunal do Santo Ofício. Daí o acto desesperado de sair em segredo de Campo Maior com 31 familiares, incluindo mulheres e crianças, em 21 cavalos da sua companhia (a carta do Conde de Atouguia para o Conselho de Guerra, de 13 de Fevereiro de 1660, descreve em pormenor o sucedido; cf. Cartas dos Governadores da Província do Alentejo…, publ. por P. M. Laranjo Coelho, Lisboa, 1940, vol. III, pg. 11). A acusação de heresia, no caso vertente por alegadamente seguir a religião judaica em segredo, podia ter consequências terríveis. Que o diga Jácome de Melo Pereira, também ele veterano capitão de cavalos do exército do Alentejo, condenado à fogueira e executado em Évora pela Inquisição em 1666.

Imagem: Combate entre cavalaria e infantaria. Ilustração moderna, representando um confronto do período da Guerra dos 30 Anos.

Badajoz, 1652 – a intentona frustrada (4ª parte)

cav

A missão de João Leite de Oliveira (noite de 5 para 6 de Fevereiro de 1652)

Segundo o relatório do tenente-general da artilharia, ficou tudo combinado com os sargentos para que se infiltrasse em Badajoz, na missão de reconhecimento, na noite de 5 para 6 de Fevereiro. Na narrativa de Mateus Rodrigues, foi numa das vezes que um dos sargentos se deslocou a Elvas, a recato da noite, que D. João da Costa revelou que iria enviar o tenente-general, e que não se enfadasse o sargento com aquela decisão e cautela, mas que era necessário ver tudo muito bem. E o oficial português devia entrar e sair de Badajoz numa só noite (ao contrário do que sucedeu com o furriel João Dias de Matos).

Prossigamos com a relação de Leite de Oliveira:

E logo sendo na noite assinada, saí à tarde com todo o recato de Elvas, eu só, e onde se chama Malpica de Castela se tinha mandado vir de Olivença uma guia prática [seria o furriel Dias de Matos?] e o capitão Aguiar, que é engenheiro, o qual não sabia nada, nem a guia, e ajuntando-me aí com eles, lhe[s] disse que tínhamos uma jornada que fazer e aqui neste lugar pasámos o dia, e ao pôr do sol disse ao guia me guiasse ao ribeiro, que passa pela outra parte de Mérida, ao qual chmam ribeiro de Redilhas, e estando já perto dele lhe disse me mostrasse o moinho, e depois de o fazer, mandei se retirasse (…) os três cavalos, e eu me adiantei ao moinho, do qual me saiu o sargento flamengo [Alejandro Perez], e depois de nos reconhecermos tornei atrás, e chamei o engenheiro, e então lhe comuniquei ao que íamos.

Deram dez horas da noite e saiu a lua [ou seja, estava uma noite de luar], que nos podia fazer dano, sem embargo disso nós chegámos ao pé da muralha do castelo, um à vista do outro, sem haver sentinela por aquela parte na muralha, e fomos seguindo (…) até uma meia lua, que fecha por uma e outra parte na muralha do castelo, que terá 18 ou 20 palmos ao mais de alto, a esta meia lua sai uma porta do castelo, que fica de noite somente ferrolhada, porque a meia lua não tem saída para a campanha, e essa é a causa.

Chegou o sargento, que me guiava, diante da meia lua onde estava o outro sargento com dois soldados, que ali havia de sentinela, e lhe perguntou «eres tu?», ao que lhe respondeu o nosso guia «yo soy y no pude pilher el carnero, y aqui vienen comigo dos amigos, que alla topé, que se habian quedado fuera pera el mesmo efecto», com o que nos deu o sargento que estava dentro um chuço pelo pé, e pegando nele, e na muralha nos baldeámos dentro todos três, eu saudei aos soldados, que ali estavam de sentinela, e não repararam no trapilho do vestido que eu levava, e assim abriram o postigo da porta, que estava cerrado, e entrámos no castelo os quatro, no qual eu andei até uma hora depois da meia-noite, correndo a muralha, reconheceno a artilharia, e armazéns de munições e mantimentos, e o trem da artilharia, e onde moravam os almoxarifes que têm as chaves dos armazéns.

O castelo tem só uma porta, que sai para a cidade, e a companhia que entra de guarda todas as noites tem cuidado de a fechar às nove da noite, e abrir pela manhã, o que tudo vimos mui devagar, por estar um dos sargentos esta noite de guarda com 2 homens, que é o mais que entram de guarda pela muita falta que têm de gente. Visto tudo à nossa vontade, nos viémos à meia lua, fingindo tornávamos fora ver se os pastores dormiam para lhes furtar o carneiro, e nos viémos. (Relação…, pgs. 180-181)

Segundo Mateus Rodrigues (exagerado, por vezes, no que tocava a referir recompensas materiais), D. João da Costa terá oferecido aos sargentos que preparavam a traição 3.500 réis em moedas de dobrão, só para que esta missão de espionagem se efectuasse, mas os sargentos recusaram, dizendo que, se Deus quisesse, haveria tempo para que o governador das armas os pudesse recompensar. Esta recusa em aceitar o dinheiro fez acreditar D. João da Costa ainda mais na boa fé dos dois sargentos, e afastar qualquer receio de traição por parte deles em relação aos portugueses. Quanto ao resto, a narrativa de Mateus Rodrigues não é completamente coincidente com o relatório em alguns pormenores: diz o soldado que Leite de Oliveira se fez acompanhar por 30 cavalos (e não por três), os quais ficaram afastados da muralha “um bom tiro de mosquete” (correspondente a pouco mais de 100 metros, aproximadamente) – o que é um absurdo, pois seriam facilmente detectáveis. Depois, refere que o tenente-general foi comer e beber com os sargentos a um mesão, falando com eles em bom espanhol, repetindo assim a façanha de João Dias de Matos – outra fantasia do autor, pois para além do despropósito da acção, dada a hora tardia da noite, seria um risco desnecessário e de todo improvável de ser corrido pelo tenente-general. No entanto, o que Mateus Rodrigues descreve sobre o resto do episódio está de acordo com o relatório. (MMR, pgs. 254-257)

Os sargentos continuavam a visitar D. João da Costa em Elvas, de cada vez que vinham a Portugal sob pretexto de fazerem pilhagens, e recebiam algum dinheiro de recompensa do mestre de campo general, pois de facto não levavam nada pilhado.

No próximo artigo serão descritos os preparativos para a operação de conquista de Badajoz, e no seguinte (e último), o resultado final de todos estes planos.

Imagem: “O descanso dos cavaleiros”, quadro de Philips Wouwerman, Koninklijk Museum voor Schone Kusten, Antuérpia.

Badajoz, 1652 – a intentona frustrada (3ª parte)

badajoz1

O furriel João Dias de Matos em Badajoz

Esta parte é omitida por João Leite de Oliveira, mas Mateus Rodrigues conta-a conforme ouviu da boca do próprio furriel de cavalaria.

Mandou Dom João da Costa chamar o furriel João Dias de Matos, e vindo ele lhe falou (…) só em uma casa muito tempo, dando-lhe contas do que tinha entre mãos e que não tinha em quem confiar aquelas cousas senão nele, pois sabia muito bem seu préstimo e valor, que tinha ajustado com os sargentos de como ele havia lá de ir, e que lhe disse o sargento que seguramente podia entrar a cavalo pela porta dentro às trindades [toque do sino, chamando à oração do fim da tarde], que fosse logo direito ao castelo e que em tal calle podia perguntar por su amigo sargento hulano [ou seja, fulano; respeitou-se aqui, e assim será na restante transcrição, a mistura de castelhano com português], e que ele também se obrigava a botá-lo fora seguramente [quer dizer, em segurança]; de maneira que Dom João da Costa lhe disse (…) que se ele lhe trazia boas informações, que lhe dava sua palavra de o acrescentar muito bem; (…) e logo ali ajustaram o dia em que havia de ir lá. Foi-se o furriel para Olivença e lá se preparou de todos os aviamentos castelhanos, como era cavalo castelhano ferrado à espanhola, e sela castelhana e armas também, (…) todos os arreios e cousas que levava eram castelhanos. E assim se partiu um dia de Olivença e se foi emboscar em um olival que chamam a Florida, quero dizer, os olivais das Malas Aradas, que não ficam de Badajoz mais de meia légua, no meio da estrada que vem de Albufeira. E assim como foi sol posto meteu-se na estrada, e foi por ela abaixo como que vinha de Albufeira, e assim como chegou às portas entrou por elas dentro sem que ninguém lhe perguntasse nada, cuidando era algum soldado que vinha com alguma carta de fora ou algum negócio. E assim como entrou, foi pela cidade fora até ao castelo, e perguntando pelo sargento fulano em tal calle, logo lhe disseram aonde morava, que a poucos passos tinha já dado com ele, e assim como se viram, abraçaram-se um ao outro por diante de alguns castelhanos, e a saudação que se davam era perguntar era perguntar «como estás, primo de mi vida?», «bueno, primo de mi anima», «en aquesta terra, primo, que negocio vos ha traído acá?», respondia o furriel «un negocio que no es de mucha importancia, imos tambien a vervos, que muchos tiempos que nos no avemos visto». De modo que se foram para casa, e foi o sargento acomodar-lhe o cavalo a casa de um soldado de cavalo seu amigo, dizendo-lhe que lhe acomodasse aquele cavalo, que era de un primo suio que era de Mérida; acomodou-lhe logo o soldado e foi-se o furriel e mais o castelhano sargento a comer logo a um mesón, que assim chamam lá às bodegas que dão de comer; de modo que em todos estes tempos sempre o furriel falando tão cerrado espanhol, melhor que o mesmo sargento. E assim como comeram, lá pela alta noite foi o sargento a mostrar todos os armazéns do castelo ao furriel, e logo foi pela muralha do mesmo castelo, como que ia o sargento rondando a muralha, e viu tudo mui à sua vontade. E se esteve ali até ao outro dia à noite, que saiu às mesmas horas a que havia entrado, sem haver pessoa alguma que lhe perguntasse nada. E não há dúvida que foi uma grande aventura, e quando eram dez horas da noite já o furriel estava às portas de Elvas. (MMR, pgs. 250-252).

Foi então avisado D. João da Costa da chegada do furriel, e este de imediato foi conduzido à presença do mestre de campo general. Disse-lhe João Dias de Matos que, pelos modos que tinham os dois sargentos, não lhe parecera que tentassem trair os portugueses, e antes pelo contrário, que se esperava uma grande vitória e sucesso na conquista de Badajoz pela traição, e que pelos planos que lhe tinham exposto, seria impossível deixar de se tomar a praça, e com muito pouca perda de vidas. Foi recompensado o furriel com 50 patacas e prometeu-lhe D. João da Costa outros acrescentamentos pelo bom desempenho da missão.

(…) Foi-se o furriel a descansar, que pousava em casa do meu furriel, que eram ambos naturais de Louriçal [na comarca de Esgueira]. Mas nunca este homem dizia onde ia nem de onde vinha, só depois que a cousa não teve efeito (…) se soube então, contava ele tudo o que passava em Badajoz com os sargentos e com D. João da Costa. (MMR, pg. 252)

Esta é a parte que não consta do relatório do tenente-general. Segundo Mateus Rodrigues, só depois da acção de espionagem do furriel é que D. João da Costa mandou chamar João Leite de Oliveira, para o incumbir de missão semelhante, mas visando objectivos finais.

(continua)

Imagem: Planta de Badajoz; in La memoria ausente. Cartografia de España y Portugal en el Archivo Militar de Estocolmo. Siglos XVII y XVIII.