Narrativas de feitos de armas (4)

Uma das obras mais interessantes do género é a de João Salgado de Araújo, clérigo e doutor em Direito Canónico, que neste volume reúne, com enorme minúcia, os acontecimentos desenrolados desde a aclamação de D. João IV até ao ano de 1644. Em cada capítulo, a descrição das acções nas diversas fronteiras de guerra é antecedida por uma descrição corográfica de cada província. A obra está disponível on-line, em PDF, na página da Biblioteca Nacional Digital (ver ligação na barra lateral).

Successos Militares das Armas Portuguesas em suas fronteiras depois da Real acclamação contra Castella. Com a geografia das Prouincias, & nobreza dellas, Lisboa, Paulo Craesbeeck, 1644.

Cota da Biblioteca Nacional (Reservados): RES 1484 P.

Balas e consequências, ou a eficácia das armas de fogo pessoais

Ia Bento Maciel reconhecer a trincheira, a bala de um mosquete lhe deu nos peitos, e o derrubou; foi julgado por morto, acudiram ao retirar; ele se levantou, e desabotoado lhe acharam o jubão de tafetás passado, e uma grande pisadura, que o teve molestado muitos dias. (Aires Varela, Sucessos que houve nas fronteiras (…), o terceiro anno da Recuperação de Portugal, que começou em o 1º de Dezembro de 1643, Elvas, Typografia Progresso de António José Torres de Carvalho, 1900, pgs. 90-91).

O mestre de campo João de Saldanha recebeu um balaço de mosquete nos peitos que deu com ele em terra dez palmos atrás, e não lhe fez mais dano que um inchaço na carne, tão boas eram as armas que levava, mas ficou quase sem acordo. (João Salgado de Araújo, Successos Militares das Armas Portuguesas em suas fronteiras depois da Real acclamação contra Castella. Com a geografia das Prouincias, & nobreza dellas, Lisboa, Paulo Craesbeeck, 1644, pg. 189 v)

Já neste tempo haviam dado um pistoletaço em meu irmão, que era alferes da minha companhia, por nome Feliciano Gomes, mas não lhe fez nenhum mal, (…) meteram a pistola a queima-fato, não fez mais que queimar-lhe o couro por uma ilharga e o gibão (…). (Manuscrito de Matheus Roiz, versão transcrita do AHM, pg. 299).

As narrativas do período da Guerra da Restauração referem amiúde casos curiosos como os que acima foram transcritos. Se nos reportássemos apenas a exemplos destes, ficaria a ideia de que as armas de fogo eram quase ineficazes. Não era bem assim.

As armas de fogo pessoais mais utilizadas durante a Guerra da Restauração eram a pistola, a carabina, o arcabuz, o mosquete e o bacamarte. Por vezes surgem referências à espingarda, variante do arcabuz que era usada na caça, principalmente por civis, mas que também se encontrava aqui e ali nos arsenais militares. À excepção da pistola e da carabina usadas pela cavalaria e que tinham fecho de pederneira, as restantes eram armas de fecho de mecha. A alma lisa (ou seja, interior do cano sem estrias) destas armas
conferia ao projéctil disparado uma baixa velocidade e uma trajectória errática, para o que também contribuía a forma esférica da bala de chumbo. O alcance dentro do qual era esperado causar baixas ao inimigo era limitado: cerca de 5-10 metros para a pistola, cerca de 60-80 metros para a carabina e o arcabuz, cerca de 100 metros para o mosquete (alcances aproximados, segundo as estimativas da época e reconstituições actuais, nem sempre coincidentes entre elas).

Um conjunto de variáveis influenciava a eficácia: as condicionantes atmosféricas, o estado de conservação da arma, a qualidade da pólvora (e a quantidade utilizada para permitir a detonação), o cansaço do militar, o moral e o seu treino ou experiência. Na cavalaria, por exemplo, com os solavancos da montada e o efeito da gravidade, mesmo utilizando uma segunda estopa para fixar melhor o projéctil, podia acontecer que a bala se deslocasse no interior do cano e se afastasse da carga de pólvora que provocava a detonação. Deste modo, a velocidade inicial e logo a capacidade perfurante seriam muito reduzidas.

As características acima referidas condicionavam o emprego táctico das tropas equipadas com armas de fogo. As carabinas eram disparadas antes de se iniciar uma carga ou durante uma escaramuça à distância, enquanto as pistolas eram reservadas para o corpo-a-corpo, sendo disparadas muito perto do contacto, antes de se recorrer à espada, ou até desfechadas à queima-roupa. Arcabuzes e mosquetes eram muito mais eficazes se disparados em salva: tiro efectuado à voz de comando, normalmente pelas duas primeiras fileiras.

Devido à rápida perda de velocidade da bala, aconteciam situações como as citadas no início deste artigo. Por isso, um colete ou casaca de couro podia ser suficiente para proteger o combatente de cavalaria, poupando os mais temerários ao incómodo suplementar de uma couraça metálica (o uso destas peças entre a infantaria era mais raro, excepto entre os oficiais). Mas se o militar fosse atingido, principalmente por uma bala mais pesada e volumosa como a de mosquete (cerca de 18mm de diâmetro), as consequências podiam ser bem complicadas. Até 40 ou 50 metros de distância, com alguma sorte a bala podia passar através do corpo sem atingir ossos ou tocar artérias ou órgãos vitais, ou ficar alojada num local de fácil extracção. Este tipo de feridas sarava bem com os tratamentos empregues na época. O pior era quando um projéctil atingia um osso, quebrando-o, e depois deflectia para outras partes do corpo. Os ferimentos internos assim causados pela bala (que podia, ela própria, fragmentar-se, assim como ao osso, ampliando os danos) eram muito graves e quase sempre fatais. Na maior parte dos casos, a fractura de um membro provocada por uma bala levava à amputação do mesmo.

Os autores das narrativas de guerra dão ênfase aos eventos curiosos de pessoas atingidas por balas que pouco ou nada as incomodavam – o inverso não merecia grande destaque, porque era mais frequente.

Bibliografia adicional:

HUGHES, Major-General B. P., Firepower. Weapons Effectiveness on the Battlefield, 1630-1850, Staplehurst, Spellmount, 1997.

JÖRGENSEN, Christer, e outros, Fighting Techniques of the Early Modern World, AD 1500-AD 1763, Equipment, Combat Skills and Tactics, London, Amber Books, 2005.

Imagem: Mosqueteiros e piqueiros da Guerra Civil Inglesa. Reconstituição histórica em Old Sarum. Foto do autor.

Batalha de Montijo, 26 de Maio de 1644

Comemora-se hoje o 364º aniversário da batalha de Montijo, travada nas proximidades da localidade com aquele nome, na província de Badajoz. Resultou de uma incursão levada a cabo pelo exército do Alentejo, comandado pelo governador das armas Matias de Albuquerque. Não se tratou de uma simples entrada para pilhagem, embora esse fosse também um móbil importante. O futuro Conde de Alegrete levou consigo praticamente todo o exército da província, oito terços pagos com cerca de 6.000 infantes e a cavalaria com 1.100 efectivos, o trem de artilharia com dois meios-canhões de 24 libras, quatro peças de campanha de 7 libras e uma extensa cauda de 205 carros de bois, carretas e 1.000 machos e mulas. Para trás, a guarnecer as praças, ficaram somente duas companhias de cavalaria e as unidades de infantaria da ordenança provincial e as que tinham vindo de Lisboa e de Coimbra. Saiu esta força de Elvas a 16 de Maio. Dez dias depois, após várias escaramuças e depredações, envolvia-se em confronto com o exército da Extremadura, comandado pelo Barão de Mollingen, com 7.000 infantes e 2.500 cavalos, entre os quais várias companhias de caballos corazas, os couraceiros que não existiam ainda entre a cavalaria portuguesa. O choque deu-se sob um intenso temporal, com muito vento e chuva forte, o que impediu a utilização efectiva das armas de fogo.

Não irei fazer aqui a descrição da batalha, pois há diversas relações sobre a mesma, recontadas ao longo dos séculos seguintes. A historiografia portuguesa tem tradicionalmente feito eco da propaganda impressa da época, evocando a vitória obtida por Matias de Albuquerque, que num arremedo de bravura reagrupa a infantaria e vinga a derrocada inicial do exército português, precipitada pela fuga precoce da sua cavalaria. Para os portugueses, Montijo foi uma vitória do exército de D. João IV, a primeira obtida numa batalha campal desde o início do conflito. Todavia, para a historiografia espanhola, a batalha de Montijo é apresentada como uma vitória do exército de Filipe IV, que destroçou o exército inimigo, não obstante o que sucedeu posteriormente. Fixa-se na memória e no imaginário, deste modo, a guerra de palavras a papel e tinta, depois da guerra dos actos, a ferro, fogo e sangue…

A ciência histórica é hoje mais rigorosa nos seus métodos de análise e exigente na interpretação. Revisitar a batalha de Montijo significa afastar os mitos que a encobrem, procurando em fontes esquecidas ou descuradas a resposta para diversas incongruências das narrativas panegíricas. Esta arqueologia da realidade possível tem revelado um cenário diverso e muito interessante em várias perspectivas de análise – mas ainda é cedo para a divulgação, neste caso, pois o estudo ainda está em curso.

Para além do combate propagandístico que ambos os lados levaram a cabo e que ainda marca o nosso imaginário, houve um outro, o ponto de partida bem concreto e terrível, que há mais de três séculos e meio teve lugar nos campos de Montijo. Em memória dos que ali se bateram relembramos o dia 26 de Maio.

Algumas narrativas sobre a batalha de Montijo:

ARAÚJO, João Salgado de, Successos Militares… (veja-se o capítulo XXIV, pgs. 228 v – 231)

AZEVEDO, Luís Marinho de, Apologia militar en defensa de la victoria de Montiio. Contra las relaciones de Castilla, y gazeta de Genoba, que la calumniaron mordaces, y la usurpan maliciosas, Lisboa, en la emprenta de Lorenço de Anveres, 1644.

Relaçam dos gloriosos svccessos, qve as armas de Sua Magestade ElRey D. Joam IV N. S. tiuerão nas terras de Castella, neste anno de 1644. atè a memorauel victoria de Montijo, Lisboa, Antonio Alvarez, 1644.

Relação da entrada que fes o gouernador das Armas Matthias de Albuquerque em Castella, e sucesso da batalha que os Exercitos Portugues e Castelhano gouernados pellos Generaes Matthias de Albuquerque e Barão de Mulingen tiuerão em quinta feira de Corpus dos des do dia ate as quatro da tarde nos campos do Montijo em 26 de Maio de 1644, transcrito in SANTOS, Horácio Madureira dos, Cartas e outros documentos da época da Guerra da Aclamação, Lisboa, Estado Maior do Exército, 1973, pgs. 171-176.

Relacion verdadera do qve lo svcedio en veinte y seis de Mayo passado, en el reencuentro que tuvieron las armas de su Magestad con las del Rebelde Portugues en la campaña de Montijo, Madrid, Carlos Sanchez, sem data [provavelmente 1644].

Estudos sobre a batalha de Montijo:

BARATA, Maria do Rosário Themudo, “Estudo Evocativo sobre a Batalha de Montijo”, in Revista Militar, nº 12, 1994, pgs. 1141-1166.

PIMENTA, Belisário, A Batalha de Montijo, Coimbra, Coimbra Editora, 1945.

Imagem: Poderia ser o cenário de um outro campo de batalha, o das Relações de feitos de armas durante a Guerra da Restauração, onde o combatente da propaganda empunha a sua arma, a pena de escrever. Os apetrechos eram os mesmos que aqui estão retratados. Foto do autor, casa-museu de Oliver Cromwell, Ely, Inglaterra.

A simbologia das bandeiras no século XVII – o vermelho e o branco

Bandeira vermelha – sinal de guerra

Antes do Conde governador das armas mandar se batesse a vila de Valverde, enviou notificar ao inimigo pelo guardião de S. Francisco do mosteiro recolecto, que junto aí a vila tinha, acompanhado de um atambor, se rendesse, pois via o poder de nosso exército e se lhe faria bom quartel. Respondeu animoso que estava inexpugnável, apercebido de gente, armas e todo necessário para larga defensão. Continuou com ímpeto em despedir cargas contínuas de balas e arvorou bandeiras vermelhas, em sinal de guerra.

Bandeira branca – sinal de capitulação

Sobre a qual tão temerosa tempestade de bocas de fogo deu parecer Matias de Albuquerque, se mandasse por um trombeta denunciar o assalto, declarando aos cercados, que se logo se não dessem, se não perdoaria a vida a coisa vivente. E como o tempo e a necessidade abranda a ira, destituídos os cercados da esperança de socorros, se acovardaram a este aviso, de sorte que logo o governador da praça Dom João Baptista Penhetelo lançou bandeira branca, e escreveu carta ao Conde governador para se render e tratar capitulações, uma hora depois do meio-dia do mesmo Sábado, onze de Setembro de 1643.

Trechos extraídos e adaptados para português corrente da obra de ARAÚJO, João Salgado de, Successos Militares das Armas Portuguesas em suas fronteiras depois da Real acclamação contra Castella. Com a geografia das Prouincias, & nobreza dellas, Lisboa, Paulo Craesbeeck, 1644, respectivamente pgs. 188 v e 191. O contexto é a campanha de Valverde, durante a ofensiva do exército do Alentejo em território inimigo, com a participação (a distância segura) de El-Rei D. João IV.

Imagem: Reconstituição histórica da Guerra Civil Inglesa, Old Sarum, 1991. Foto do autor.