O tambor-mor e o tambor

lelvas2

Tal como o trombeta, também o tambor (ou atambor) não era verdadeiramente um posto, mas sim uma função especializada. Contudo, o tambor-mor era um dos elementos da primeira plana de um terço, e portanto considerado “oficial” nas listas de efectivos. Na orgânica do exército português do período da Guerra da Restauração havia um tambor-mor por terço e dois tambores por companhia de infantaria. A função destes era a sinalização sonora das ordens para a respectiva unidade, enquanto ao tambor-mor competia a instrução e exame dos tambores e a sua repartição pelas companhias.

Na escala das representações sociais da Era Moderna, o tambor não era considerado um ofício nobre, ao contrário, por exemplo, do trombeta. A razão para essa diferenciação, estranha nos nossos dias, mas enraizada no imaginário da época, era o facto do tambor usar as mãos para percutir a caixa de guerra (assim se chamava, com propriedade, o instrumento tambor). Tratava-se, deste modo, de um trabalho mecânico, tal como o de um lavrador, ou o de um criado, ou o de um artesão. Já o trombeta fazia soar o seu instrumento através do sopro, algo que vinha do interior (como a alma) – e além disso militava na cavalaria, a forma mais nobre de guerrear, de acordo com o sistema de valorações do período. Daí a diferença bem marcada entre ambos os cargos, ainda que as funções do trombeta e do tambor se resumissem, na prática, ao mesmo fim.

O tambor-mor não arrastava consigo a vileza dos tambores comuns. Bartolomé Scarion de Pavia, escrevendo na parte final do século XVI, dizia que Y aunque el oficio de atambor es oficio bajo y no de honra, y asímismo es el pífaro, con todo esto los atambores mayores de tercio deben ser hombres de bien (…) Han de entender que son necesarios para más que echar bandos generales y repartir los otros atambores caminando y en los escuadrones, y para llevar algun mandado ó embajada de un escuadron á otro. (Bartolomé Scarion de Pavia, Doctrina Militar, fl. 103, citado por José Almirante, in “Tambor”, Diccionario Militar, Madrid, Ministerio de Defensa, 1989, vol. II, pg. 1009; esta obra de Scarion de Pavia também foi editada em Lisboa, na oficina de Pedro Crasbeeck, em 1598 – na língua original, o castelhano).

Sobre os tambores muito pouco se escreveu durante a Guerra da Restauração, pois o rufar das caixas de guerra fazia parte do quotidiano militar, de uma forma tão natural que pareceria redundante demorar-se sobre esse assunto qualquer escrito. Será necessário recuar até ao século XVI e ao reinado de D. Sebastião para encontrarmos, em português, uma descrição detalhada das funções do tambor e até do próprio instrumento, pela pena de Isidoro de Almeida (texto vertido para português actual):

Os modernos, para mandarem os infantes, usam o tambor, a que outros chamam caixa. Este é um instrumento de madeira com duas bocas, como todos sabem, em cada uma das quais tem um parche de bezerro ou pergaminho, e sobre um batem com dois paus, e no outro tem dois ou quatro bordões de nervo torcidos, temperados com um temperador de pau, que os aperta e alarga, de maneira que, batendo com os paus no parche, reverberam os bordões e tornam a redobrar o golpe, e assim causam maior rumor (…).

As peles estão fixas em uns arcos, e sobre estes outros arcos, em que prendem os cordéis com que as peles se entesam e apertam (…). As peles são de bezerro, de um ano, e para serem mais fortes e durarem mais, querem-se peladas sem cal, com cinzas ou com farelos, e como derem o cabelo ficam boas, mas não querem sal, por não reverem no tempo húmido.

A madeira do tambor, se pudesse ser de um pau inteiro, seria melhor, quando não, quanto mais unida e grudada for, tanto melhor. De nogueira são muito bons, e quer que tenha grossura na madeira de meio dedo pelo menos, e algum tanto mais, se é delgada, recebendo o som em si, não o dá (quando o batem) do pergaminho dos bordões, e soa menos então.

A medida que se tem experimentada para toar mais é dois palmos e meio de vão de boca, e outro tanto de madeira, de boca a boca, e mais não, porque se a madeira é mais comprida vai no vento mais fraco ao parche, e repercutem com menos força os bordões.

O melhor dos dois couros se porá aonde se bate com os paus, os paus do bater se querem de dois palmos de comprido, e grossos por uma parte, que é a que está na mão, e delgados pela outra, com que batem. Naquela parte com que batem, por não romperem o couro, devem ter uma cabeceta pequena, menor que uma avelã; querem-se lavrados ao torno de madeira pesada, para contrapesarem nas mãos ao bater e assim com menos força de mão, dão maior golpe.

Esta é a caixa do tambor, com que o destro oficial e prático tangedor, com a ligeireza das mãos e com o compasso dos golpes, significa e declara o que quer o capitão e o que manda aos seus soldados. Este lança o bando ou pregão do que se há-de fazer, como que se juntem à bandeira, que vão a receber a paga, que tal dia é a mostra e resenha, que vão ao exercício a tal lugar, que vão tomar mantimentos ou munições, que vão ao trabalho, e deita bando de todas as mais coisas que se hão-de fazer, o qual bando é um tocar, e um som diferente de todos os outros, o qual somente significa bando.

Pelo que o tambor que tem primor não mistura com o bando outro som, como fazem os bisonhos (…). Também toca ao tambor o recolher à bandeira, com outro som diferente; e toca o marchar em ordenança, ou caminhar, ou quando caminhando se há-de fazer alto, ou estar quedo. Toca quando um esquadrão, tendo arvorado, se quer melhorar em sítio, sem calar os piques ao ombro avante avante. Toca mão em pique, mão em pique; é aproximar-se, à arma; e no tempo de combater: toca arma, arma. Toca a escaramuça, e toca carga, carga de mão em mão; e toca a retirada atrás, dizendo muito claro: retirar para trás, retirar para trás.

(…) Querem-se todos estes sons muito a compasso, e com as medidas dos tempos guardadas, precisamente, como músico de bom ouvido, e nisto está o ser bom tambor, e não em fazer rumor cegamente sem entender o que faz.

(Isidoro de Almeida, “Quarto Livro das Instruções Militares de Isidoro de Almeida”, in Alberto Faria de Morais, Arte Militar Quinhentista, separata do Boletim do Arquivo Histórico Militar, Lisboa, s.n., 1953, pp. 181-183; edição original: Évora, em casa de André de Burgos, 1573.)

Imagem: Pormenor do painel de azulejos representando a batalha das Linhas de Elvas, 14 de Janeiro de 1659. Sala das Batalhas, Palácio dos Marqueses de Fronteira. Note-se os tambores, no canto superior esquerdo. Durante a Guerra da Restauração – tal como nos diversos conflitos dos séculos XVI a XIX – rapazes muito jovens, por vezes crianças ainda, eram incorporados nos exércitos como tambores, conforme se pode ver nesta representação.

Efectivos dos terços do Alentejo após a mostra de Setembro de 1661

piqueiros

A relação de efectivos de infantaria agora apresentada surge na sequência das listas publicadas no post anterior. Resulta de uma mostra que teve lugar em Setembro de 1661, actualizando as contagens das listas elaboradas entre finais de 1660 e inícios de 1661 (acrescidas das reconduções entretanto realizadas).

O facto mais relevante a constatar é o aumento do total de efectivos da infantaria paga em relação à mostra anterior: mais 457 homens. Número não menosprezável, considerando que, nessa mesma mostra, quase metade dos terços de infantaria que não conseguia ter nas suas fileiras um tal efectivo. Só três terços viram diminuir o número de militares: o de D. Luís de Meneses (talvez devido à ausência do futuro Conde de Ericeira na corte), o do napolitano D. Pedro, o Pessinga, e o de Agostinho de Andrade Freire, estes com uma quebra muito ligeira.

Terços e respectivos mestres de campo (MC)

Oficiais

Soldados

Totais

Variação em relação à mostra anterior

MC D. Luís de Meneses

90

880

970

– 47

MC D. Francisco Mascarenhas

103

737

840

+ 24

MC D. Pedro, o Pecinga

98

607

705

– 16

MC D. Jorge Henriques

82

366

448

+ 116

MC João Leite de Oliveira

86

550

636

+ 87

MC D. Pedro Mascarenhas

92

415

507

+ 176

MC Agostinho de Andrade Freire

101

670

771

– 19

MC Pedro de Melo

71

361

432

+ 112

MC Francisco Pacheco Mascarenhas

66

271

337

+ 69

MC Fernão da Mesquita Pimentel

78

377

455

+ 187

TOTAIS

867

5234

6101

+ 457

Fonte: ANTT, Conselho de Guerra, Consultas, 1661, maço 21-A, “Relação dos Officiais, e Soldados da Infantaria e Cauallaria deste Ex.to que se acha effectiua, Conforme consta dos roes de Lista da ultima mrª, que se lhes passou na maneira seguinte”.

Imagem: Piqueiros em exercícios. Foto JPF, reconstituição histórica em Old Sarum, Inglaterra.

Efectivos dos terços pagos do Alentejo entre os finais de 1660 e os inícios de 1661 (incluindo reconduções até Setembro de 1661)

ph_ericeira

A organização teórica dos terços de infantaria já foi aqui apresentada. No entanto, quase sempre os efectivos reais se afastavam (e muito) do que estava previsto no papel. As listas de pessoal, enviadas ao Conselho de Guerra após a realização das mostras, permitem-nos entender as tremendas variações existentes entre os terços pagos do exército da província do Alentejo. As listas que a seguir se publicam reportam-se à situação das unidades entre Setembro de 1660 e Setembro de 1661. Na segunda desta datas, os dez terços pagos compreendiam 855 oficiais (na verdade,  aqui incluíam-se também os sargentos do número e supranumerários) e 4.789 soldados, ou seja, 5.644 militares pagos de infantaria. Nota: as reconduções dizem respeito a soldados que se tinham ausentado das unidades sem licença (regressando a suas casas) e que eram de novo levados para a fronteira.

Fonte: ANTT, Conselho de Guerra, Consultas, 1661, maço 21, “Relação dos officiais e Soldados de Infantrª e Caurª q Se acharão neste Exc.to pla ultima mostra”.

Imagem: D. Luís de Meneses, Conde de Ericeira. No período acima referido, comandava um dos terços do Exército do Alentejo.

Terço do mestre de campo  D. Luís de Meneses

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 22 e 23/9/1660

98

554

652

Entrados (até Setembro de 1661) das levas do mesmo mestre de campo nas comarcas de Coimbra e Esgueira

323

323

Reconduzidos

42

42

TOTAIS

98

919

1017

Terço do mestre de campo D. Pedro, o Pecinga

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 21 e 22/9/1660

104

483

589

Entrados (até Setembro de 1661) das levas do mestre de campo Luís de Mesquita Pimentel na comarca de Évora

160

160

Reconduzidos

22

22

TOTAIS

104

665

769

Terço do mestre de campo D. Francisco Mascarenhas

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 22, 23, 24 e 25/9/1660

103

502

605

Entrados (até Setembro de 1661) das levas do tenente-general Francisco Velho de Avelar, governador de Stª Luzia, na comarca de Leiria e coutos de Alcobaça

130

130

Reconduzidos

81

81

TOTAIS

103

713

816

Terço do mestre de campo João Leite de Oliveira

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 14 e 16/12/1660

79

380

459

Até Setembro de 1661 não lhe tinha entrado recondução alguma da comarca de Santarém, nem de outra parte

TOTAIS

79

380

459

Terço do mestre de campo D. Jorge Henriques

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 13 e 16/12/1660

84

225

309

Entrados (até Setembro de 1661) das levas e reconduções na comarca de Torres Vedras

23

23

TOTAIS

84

248

332

Terço do mestre de campo Agostinho de Andrade Freire

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 10, 11 e 15/10/1660

114

676

790

Até Setembro de 1661 não lhe tinham entrado reconduções e levas das comarcas de Beja e Ourique

TOTAIS

114

676

790

Terço do mestre de campo Pedro de Melo

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 2 e 20/10/1660

85

235

320

Até Setembro de 1661 não lhe tinham entrado reconduções e levas da comarca de Ourique

TOTAIS

85

235

320

Terço do mestre de campo Francisco Pacheco Mascarenhas

Oficiais

Soldados

Total

Mostra de 15/12/1660

75

179

254

Até Setembro de 1661 lhe tinham entrado reconduzidos

14

14

TOTAIS

75

193

268

Terço do mestre de campo Fernão da Mesquita Pimentel

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 22 e 24/2/1661

84

268

352

Entrados (até Setembro de 1661) das levas do mesmo mestre de campo nas comarcas de Tomar e Ourém

182

182

Reconduzidos

8

8

TOTAIS

84

458

542

Terço do mestre de campo D. Pedro Mascarenhas

Oficiais

Soldados

Total

Mostras de 25 e 26/2/1661

29

249

278

Entrados (até Setembro de 1661) das levas

51

51

Reconduzidos

2

2

TOTAIS

29

302

331

Organização do exército português (4) – Cavalaria: a estrutura das companhias

A companhia era a unidade administrativa básica da cavalaria portuguesa, quer para as forças pagas (exército profissional), quer para as milícias da ordenança, auxiliares, moradores e pilhantes ou amunicionados. Em 1661 houve uma proposta do Conde de Schomberg para que a cavalaria portuguesa passasse a adoptar o sistema regimental. Nada se concretizou devido às fortes resistências encontradas, entre outros motivos porque essa alteração implicaria a perda de prerrogativas sociomilitares dos capitães, muito arreigadas na tradição. O mais que se conseguiu, a partir de 1664, foi a introdução de troços, agrupamentos regulares de companhias sob o comando de um comissário geral. Na verdade, antes daquela data já existiam troços, visto que era a designação em uso para qualquer agrupamento de companhias, mas só depois assumiram um carácter normativo: oito companhias por troço, incluindo a do comissário geral. No entanto, não eram unidades permanentes, uma vez que só em período de campanha se formavam os troços.

O número de efectivos previstos por companhia do exército profissional variou muito ao longo da guerra. O máximo de 100 militares fixado no início do conflito desceu pouco tempo depois para 80, voltou aos 100, de novo aos 80, depois 60, outra vez 100 e regressou aos 80, tudo isto entre o início de 1641 e os finais de 1648. A influência do Conde de Schomberg levou à fixação de 65 militares por companhia, a partir de Novembro de 1661. Mas uma coisa era a força prevista no papel e outra a que realmente era possível apresentar no terreno. Deste modo, tanto era possível encontrar companhias com cerca de duas dezenas de cavalos, como outras, mais raras, com efectivos acima da centena! O mais vulgar, no entanto, era alinharem entre 30 e 60 cavalos. O efectivo teórico das companhias de auxiliares foi estabelecido em 50, logo no ano da criação daquela força miliciana montada (1650). A cavalaria da ordenança e as companhias de moradores e pilhantes não tinham um efectivo estipulado, embora fosse esperado que imitassem a dotação das forças pagas.

Qualquer que fosse o seu total de efectivos, uma companhia compunha-se de uma primeira plana com capitão, tenente, alferes (embora oficialmente não existissem nas companhias de arcabuzeiros a cavalo, muitas tinham-nos), furriel, capelão, dois trombetas, ferrador e um pagem por cada oficial. O restante efectivo era repartido em esquadras de 20 a 25 soldados, cada uma comandada por um cabo de esquadra. Esta organização era idêntica para o exército profissional e para todo o tipo de forças milicianas. No entanto, até nas forças pagas era difícil dotar as companhias de capelão e ferrador, e muitas só tinham um trombeta.

O capitão, cuja patente era atribuída por decreto régio, nomeava os restantes oficiais e os cabos de esquadra. No caso das companhias da ordenança, eram as câmaras que nomeavam ou elegiam os capitães. Os oficiais das companhias de auxiliares podiam provir das forças pagas, mas nesse caso recebiam um soldo mais reduzido. Pelo menos uma companhia de pilhantes chegou a ser comandada, no início da década de 50, por um oficial estrangeiro (francês) proveniente das forças pagas.

Imagem: Companhias portuguesas de cavalos arcabuzeiros, também designadas por arcabuzeiros a cavalo, carabinas, cravinas ou clavinas. Painel representativo da Batalha do Ameixial (1663), “Sala das Batalhas”, Palácio dos Marqueses de Fronteira. Foto do Comandante Augusto Salgado.

Organização do exército português (3) – os tipos de cavalaria

A maioria da cavalaria existente em Portugal durante a Guerra da Restauração era do tipo ligeiro, designada de diversos modos: arcabuzeiros a cavalo, cavalos arcabuzeiros, clavinas, cravinas ou carabinas. Era semelhante à cavalaria mais vulgarmente encontrada na Europa central e ocidental. Os militares estavam equipados ofensivamente com espada, um par de pistolas e uma carabina de fecho de pederneira (e nunca o arcabuz, se bem que a designação tenha sido herdada das origens quinhentistas, quando então, sim, o arcabuz de mecha era a arma utilizada). Defensivamente, usavam peito e espaldar de aço sobre um colete ou casaca de couro (ou só esta última protecção) e um capacete (este termo era utilizado na época, embora o nome mais vulgar fosse murrião), que frequentemente era substituído por um chapéu de aba larga.

A maioria das companhias do exército pago (profissional) era de cavalos arcabuzeiros; as unidades milicianas de auxiliares (criadas a partir de 1650) e da ordenança eram todas deste tipo. Uma hipotética excepção pode ter ocorrido no Reino do Algarve (designação tradicional da província mais meridional de Portugal) durante o primeiro ano da guerra, onde a cavalaria da ordenança poderá ter prolongado por algum tempo o uso de lança e adarga – como se usava ainda nas praças portuguesas do Norte de África -, equipamento registado num arrolamento de efectivos em 1639. Havia ainda companhias milicianas de moradores, cavalos pilhantes ou amunicionadas, que começaram a ser criadas em 1647 – antes dos auxiliares, mas contemporâneas da cavalaria da ordenança. A diferença entre estes cavalos arcabuzeiros milicianos e os restantes é que as suas unidades eram formadas voluntariamente, enquanto os efectivos para a ordenança e os auxiliares eram recrutados compulsoriamente.

A partir de Setembro de 1644, no seguimento da experiência colhida na batalha de Montijo, foi introduzido um outro tipo de cavalaria: os couraceiros (ou cavalos couraças). Estes existiam antes daquela data na designação honorífica no papel (havia companhias de couraceiros, mas sem qualquer diferença no equipamento em relação aos cavalos arcabuzeiros). O seu equipamento ofensivo era semelhante ao da cavalaria ligeira, excepto (em teoria, que na prática nem sempre foi assim) a carabina. O equipamento defensivo era mais completo, com celada (elmo fechado), peito e espaldar sobre colete de couro, guarda-rins, coxotes, braçais e manoplas, ou pelo menos uma manopla para a mão que segurava a rédea. Todavia, ainda na década de 40 os couraceiros foram aligeirando o seu equipamento defensivo, ao ponto de muitas companhias não se distinguirem dos cavalos arcabuzeiros, regressando assim às origens meramente honoríficas. Só existiam unidades de couraceiros no exército pago, pois eram consideradas tropas de elite – mas não se confunda com o conceito actual, pois mais do que à capacidade operacional da unidade, era sobretudo ao prestígio individual do comandante que se atendia na distinção.

Gravuras: Arcabuzeiro a Cavalo e Couraceiro, imagens extraídas do tratado militar de John Cruso, Militarie Instructions for the Cavall’rie, Kineton, The Roundwood Press, 1972 (fac-simile da edição de 1632; comentada e anotada pelo Brigadeiro Peter Young).