Postos do exército português (17) – o mestre de campo general

ea-62-v

O mestre de campo general era o segundo na hierarquia entre os quatro principais cabos de guerra de um exército provincial, logo a seguir ao governador das armas. Cabia-lhe, entre outras funções, o comando supremo da infantaria do exército da província. De acordo com o proposto nas Ordenanças Militares de 1643 por D. João IV, as qualidades esperadas de um mestre de campo general eram as seguintes (textos vertidos para português corrente, como é hábito neste blogue de divulgação):

O cargo de mestre de campo general convém que se me consulte, não somente de qualidade virtuosos, afáveis, magnânimos e desinteressados, mas que hajam tido os demais postos de guerra, e procedido em todos com assinalado valor e sagacidade, particularmente teóricos e práticos; e aqueles em cujas pessoas mais destas partes concorrem preferirão, nas consultas para eu aprovar, os que forem mais idóneos (…).

Nos seus comentários à proposta de Ordenanças Militares de 1643, ajudando a clarificar e corrigir todos os pontos necessários, Joane Mendes de Vasconcelos acrescentou:

Deve-se declarar neste título os postos que estão mais próximos à consulta deste cargo de mestre de campo general, ordenando Vossa Majestade que sejam preferidos os maiores; e entre os iguais, aqueles que mais hajam tratado a infantaria [ou seja, com mais experiência no comando da infantaria].

Toca-lhe, ao mestre de campo general, tomarem-lhe as armas [quer dizer, apresentar armas, no modo de expressão seiscentista] assim nas praças de armas como nos esquadrões, e lhe devem entrar de guarda um alferes com trinta soldados, e em campanha no seu quartel, uma companhia sem bandeira, e terão sempre uma companhia de arcabuzeiros a cavalo para guarda de sua pessoa, e as bandeiras e estandartes se lhe devem arvorar.

Também parece que deve fazer nomeações de ajudantes de tenente [de mestre de campo general], preboste geral, tambor geral [ou seja, tambor-mor], capitão de guias, furriel da corte [ou seja, furriel-mor], e aprovar os oficiais de justiça nomeados pelo auditor geral; mas só o general do exército lhes mandará assentar as praças ou passar as patentes que Vossa Majestade não reservar para si.

Note-se que o general (capitão-general) do exército era um cargo supremo que durante a maior parte do tempo da Guerra da Restauração não teve ocupação operacional, pelo que as prerrogativas referidas por Joane Mendes de Vasconcelos a propósito daquele posto passavam para o governador das armas de cada província.

Fonte: “Ordenanças Militares de 1643″, tit. 13º, in AIRES, Cristóvão, Historia Organica e Politica do Exercito Português – Provas, vol. IV, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908, pgs. 59-60.

Imagem: Combate de infantaria na batalha do Ameixial,  8 de Junho de 1663. Pormenor de um painel do “Biombo dos Viscondes de Fonte Arcada”, fotografia da secção de Iconografia da Biblioteca Nacional de Lisboa, EA62V.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s